Após greve dos caminhoneiros, confiança da indústria segue baixa em julho

Índice da CNI subiu para 50,2 pontos em julho, mas não reverteu a queda registrada em junho

Por Matheus Oliveira
20/07/18 - 09:38
Após greve dos caminhoneiros, confiança da indústria segue baixa em julho Contêineres empilhados em porto, relacionando o comércio e industria. | Banco de imagens

De acordo com pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), nesta quinta-feira, dia 19 de julho, a confiança dos empresários do setor subiu 0,6 ponto em julho. O Indicador de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) chegou a 50,02 pontos, depois de ter caído de 55,5 pontos para 49,6 pontos entre maio e junho.

O índice mostra que a confiança de investimento dos empresários da indústria ainda está longe de reverter a queda de 5,9% apresentada em junho com relação a maio. Este resultado ocorreu devido à greve dos caminhoneiros que gerou desabastecimento de combustíveis, fazendo faltar diversos insumos para a sociedade. 

O ICEI de julho de 2018 é ainda 0,4 ponto inferior ao registrado em julho de 2017 e 3,9 pontos abaixo da média histórica do índice. Esses indicadores variam entre 0 e 100. Quando estão abaixo de 50 indicam baixa confiança dos empresários com o mercado.

“A confiança do empresário segue baixa, um mês após o fim da paralisação dos serviços de cargas”, diz a pesquisa. “A solução para paralisação dos transportes de cargas ainda não está totalmente construída. A questão da tabela de fretes ainda gera muitas incertezas”, avalia o economista da CNI Marcelo Azevedo.

A confiança é maior entre os empresários da região Norte, onde o ICEI alcançou 53,1 pontos, e menor no Sudeste, onde o índice foi de 48,4 pontos. No Sul, o ICEI ficou em 49,6 pontos, no Nordeste, em 51,1 pontos e, no Centro-Oeste, em 51,5 pontos.

Segundo a CNI, a pequena recuperação demonstrada pela indústria em julho é resultado da percepção menos negativa sobre as condições atuais da economia e dos negócios. O indicador de expectativas sobre o desempenho das empresas e da economia nos próximos seis meses subiu 0,3 ponto em relação a junho e ficou em 53,5 pontos. 

A pesquisa foi feita entre 2 e 14 de julho com 2.708 empresas. Dessas 1.095 são pequenas, 1.012 são médias e 601 são de grande porte.