MENU

Portal Multiplix

Vereador friburguense Sérgio Louback assumirá mandato na Alerj

Sérgio Louback substituirá o deputado estadual afastado na operação Furna da Onça

Por Sara Schuabb
22/03/19 - 10:18
Vereador friburguense Sérgio Louback assumirá mandato na Alerj O vereador friburguense Sérgio Louback (PSC) substituirá o deputado estadual Chiquinho da Mangueira (PSC) | Foto: Reprodução/Redes Sociais

O vereador friburguense do Partido Social Cristão (PSC), Sérgio Louback, substituirá o deputado estadual Chiquinho da Mangueira (PSC), que cumpre prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica após a operação Furna da Onça. Na tarde desta quinta-feira, 21 de março, a mesa diretora da Assembleia Legislativa do Rio Janeiro (Alerj) deu posse aos seis deputados eleitos afastados Luiz Martins (PDT); Chiquinho da Mangueira (PSC), Coronel Jairo (MDB), Marcos Abrahão (Avante), Marcus Vinícius Neskau (PTB) e André Corrêa (DEM).

No entanto, os respectivos deputados eleitos não poderão assumir os cargos e, na próxima segunda-feira, 25 de março, de acordo com o Tribunal Regional Federal da 2ª Região, a Alerj deverá empossar os suplentes. A substituição será feita pelos candidatos que tiveram maior número de votos. No caso, o suplente Sérgio Louback teve 10.560 na eleição de 2018 para deputado estadual.

Com o mandato na Alerj, Louback passa a ser o único deputado estadual representando Nova Friburgo na casa legislativa. Quanto às expectativas em relação a seu mandato, ele diz que vai trabalhar pela representatividade do município e do entorno. “Meu papel será fortalecer a ligação entre município com o Governo Estadual, que é do mesmo partido, e darei prioridade às parcerias para trabalhar pela melhoria das estradas vicinais, da escoação agrícola da região e também no fortalecimento do Turismo”, diz.

A reportagem do Portal Multiplix entrou em contato com a Alerj e aguarda a confirmação dos nomes dos outros cinco suplentes que tomarão posse.

Operação Furna da Onça

A operação Furna da Onça prendeu dez deputados estaduais do Rio de Janeiro em novembro de 2018. As investigações apontaram que os envolvidos recebiam propinas mensais que variavam de R$ 20 mil a R$ 100 mil para votar de acordo com o interesse do governo. Segundo a Polícia Federal, o esquema teria movimentado cerca de R$ 50 milhões.

De acordo com as investigações, a organização criminosa, chefiada pelo ex-governador Sérgio Cabral, pagava propina a vários deputados estaduais a fim de que patrocinassem interesses do grupo criminoso na Alerj. De forma ilícita, os parlamentares eram beneficiados ainda com o loteamento de cargos em diversos órgãos públicos do estado, como o Detran, onde poderiam alocar mão de obra comissionada ou terceirizada.

Deputados do Poder legislativo envolvidos na operação presos em 2018:

  • André Corrêa (DEM)

  • Chiquinho da Mangueira (PSC)

  • Coronel Jairo (MDB)

  • Edson Albertassi (MDB)

  • Jorge Picciani (MDB)

  • Luiz Martins (PDT)

  • Marcelo Simão (PP)

  • Marcos Abrahão (Avante)

  • Marcus Vinícius Neskau (PTB)

  • Paulo Melo (MDB)