MENU

Portal Multiplix

Bolsonaro e Haddad se enfrentam no segundo turno da eleição presidencial

Candidato do PSL se mantém na liderança durante a apuração

Por Matheus Oliveira
07/10/18 - 20:51
Bolsonaro e Haddad se enfrentam no segundo turno da eleição presidencial Jair Bolsonaro, representa ideias da direita, enquanto Fernando Haddad é o nome da esquerda no segundo turno | Foto: Reprodução/Redes Sociais

Na disputa pela Presidência da República, o cenário apontado pelas pesquisas eleitorais se confirmou e os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad irão disputar o segundo turno da corrida pelo Palácio do Planalto. Até às 21h14 deste domingo, a apuração dos votos apontava o capitão da reserva com 46,58% dos votos (48.247.371 votos), enquanto o candidato do PT tinha 28,54% dos votos (29.565.693 votos), segundo dados oficiais do TSE.

Veja abaixo o perfil dos presidenciáveis que irão participar do segundo turno no dia 28 de outubro:

Jair Bolsonaro

Polêmico, celebrado e combatido na mesma medida. Defendendo bandeiras conservadoras, na segurança pública e os interesses militares, o candidato do Partido Social Liberal (PSL), o capitão de reserva Jair Bolsonaro pretende governar o Brasil e vai com força para o segundo turno. Ele liderou as pesquisas de intenção de voto desde o início da campanha eleitoral e confirmou seu favoritismo durante a apuração. O candidato a vice-presidente na chapa é o general Hamilton Mourão (PRTB).

Jair Messias Bolsonaro nasceu na cidade de Glicério, no interior de São Paulo, sendo registrado em Campinas, no dia 21 de março de 1955. O paulista foi para a Escola Preparatória de Cadetes do Exército e ingressou na sequência, na Academia Militar das Agulhas Negras, em 1977.

O parlamentar serviu ainda no 9º Grupo de Artilharia de Campanha, na cidade de Nioaque, no Mato Grosso do Sul, entre 79 e 81. Após isso, integrou a Brigada de Infantaria Paraquedista, onde se especializou em paraquedismo.

Em 1983 formou-se em educação física na Escola de Educação Física do Exército, e tornou-se mestre em saltos pela Brigada. Em 1987, cursou a Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais (EsAO). Ele foi casado por três vezes e tem cinco filhos, sendo que os três mais velhos ocupam cargos legislativos (Flávio, Carlos e Eduardo).

Carreira Política

A trajetória política de Jair Bolsonaro começou em 1988 quando foi eleito vereador da cidade do Rio de Janeiro pelo Partido Democrata Cristão. Em 1990, foi eleito deputado federal pela primeira vez. Na sequência, vieram outros seis mandatos como parlamentar em Brasília. Nas eleições de 2014, foi o deputado mais votado no estado do Rio de Janeiro com 464.565 votos.

O postulante ao Palácio do Planalto, foi titular da Comissão de Relações Exteriores e da Defesa Nacional, suplente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, além e ter integrado a Comissão de Direitos Humanos e Minorias.

Entre suas bandeiras defende o liberalismo econômico, um maior rigor disciplinar nas instituições de ensino, a redução da maioridade penal, pelo armamento do cidadão e direito à legítima defesa, pela segurança jurídica na atuação policial e pelos valores cristãos.

Em levantamento feito pelo site do Estado de São Paulo, Jair Bolsonaro apresentou em sua carreira política um total de 117 projetos de lei, sendo a maioria voltados para o interesse dos militares e a segurança pública, que representam 56,7% das propostas do presidenciável no Legislativo. Em seu último mandato, propôs 9 projetos para a segurança e três para os militares. No total, apenas três dessas proposições foram destinadas a área de economia e 10 para a saúde.

Apesar do número de projetos, apenas dois foram aprovados: um sobre a concessão do benefício da isenção de Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) para bens de informática e outro que permitia a utilização da fosfoetanolamina sintética, conhecida como pílula do câncer.

Fernando Haddad

Sob a benção de um dos principais líderes políticos do País e a promessa de voltar a criar emprego e renda para as pessoas mais humildes é que o candidato do Partido dos Trabalhadores, Fernando Haddad, pretende governar o País. A transferência de votos e o apoio do ex-presidente Lula garantiu a segunda posição e um lugar no segundo turno ao ex-prefeito de São Paulo. A candidata a vice-presidente de sua chapa é Manuela D’Ávila (PCdoB).

Fernando Haddad nasceu em São Paulo, no dia 25 de janeiro de 1963. Descendente de imigrantes libaneses, ele se formou em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) em 1985. Cinco anos depois, se tornou mestre em Economia, também pela USP. Ele ainda se tornou doutor em filosofia em 1996, novamente pela instituição paulistana. Haddad também é professor universitário. Entre 2001 e 2003, ele foi analista de investimento do Unibanco.

O petista é casado há 30 anos com Ana Estela Haddad, professora da USP, pesquisadora e gestora de políticas públicas. Com ela, tem dois filhos, Frederico e Carolina.

Carreira Política

A trajetória política do postulante ao Palácio do Planalto, começou entre 2001, quando assumiu a função de chefe de gabinete da Secretaria de Finanças e Desenvolvimento Econômico do município de São Paulo,no início da gestão da prefeita Marta Suplicy.

Entre 2003 e 2004, integrou o Ministério do Planejamento na gestão de Guido Mantega. Já de 2005 até 2012, foi Ministro da Educação dos governos petistas de Lula e Dilma. Nesta época, ficou marcado por criar o Programa Universidade Para Todos (ProUni), reformulou o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES),expandiu o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e criação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB).

Em 2012, foi eleito prefeito de São Paulo, vencendo José Serra (PSDB) no segundo turno com3.387.720 votos (55,57% dos votos válidos). Na sua gestão, a principal bandeira foi a mobilidade urbana, tendo criado ciclovias pela cidade com intuito de resolver o caótico trânsito da capital paulista. Em 2016, desgastado com os escândalos do PT, foi derrotado no primeiro turno por João Dória (PSDB).

Neste ano, após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitar o pedido de candidatura do ex-presidente Lula -preso em Curitiba após condenação em segunda instância- seguindo a Lei da Ficha Limpa, o ex-ministro assumiu a missão de se tornar cabeça de chapa e disputar o pleito presidencial.

Entre suas principais propostas, estão a de gerar mais empregos, fazer a economia girar oferecendo linhas de crédito com juros baixos e investimentos a programas sociais como o Bolsa Família.