Cidades da Região Serrana registram altos índices de violência contra a mulher

1.755 registros de violência foram feitos, em 2018, apenas em Teresópolis

Por Luisa Machado
10/09/19 - 14:55
Cidades da Região Serrana registram altos índices de violência contra a mulher Em Nova Friburgo, foram 1.602 delitos registrados em 2018 | Foto: Reprodução/Portal Multiplix

A cada quatro minutos, uma mulher é agredida no Brasil. A estatística parece chocante, mas os dados foram divulgados nesta segunda-feira, 9 de setembro, pela Folha de S. Paulo. As informações, obtidas através da Lei de Acesso à Informação, são de uma análise do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) e mostram que, em 2018, 145 mil registros de violência contra a mulher foram feitos em casos em que, ao fim, a vítima sobreviveu.

No estado do Rio de Janeiro, as informações disponíveis são do Dossiê Mulher, criado pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), e também relatam alto índice de delitos cometidos contra mulheres. No total, foram 115.062 casos registrados nas delegacias de todo o estado, em 2018. Os casos de estupro foram 4.543, na mesma área de cobertura.

Os números são referentes aos delitos contabilizados pelo ISP para a realização do dossiê, que são ameaça, assédio sexual, ato obsceno, calúnia, constrangimento ilegal, dano, difamação, injúria, lesão corporal e violação de domicílio.

Em Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio, as informações do ISP contabilizam 1.602 registros de delitos contra mulheres, feitos na 151ª Delegacia de Polícia (DP). Além disso, no período de um ano, foram registrados, por mulheres, 50 casos de estupro.

O município de Teresópolis, também localizado na Região Serrana, registra suas ocorrências na 110ª DP. Na área de cobertura da delegacia, foram 103 casos durante o ano de 2018, mais que o dobro dos registrados no município vizinho. O total de atentados contra mulheres, em Teresópolis, chega a 1.755.

Quando o assunto é violência contra a mulher, ela pode se manifestar, principalmente, nas formas física, quando os danos são corporais; sexual, quando envolve qualquer indicador lascivo; e psicológica, quando o homem faz uso de ameaças e táticas para diminuir a vítima.

Em todo caso, a melhor opção é, sempre, fazer o registro das ocorrências na Delegacia de Polícia mais próxima. Nesse caso, ao chegar no local, a vítima receberá instruções sobre o que fazer e atendimento especializado para que a violência chegue ao fim.