Região Centro-Norte Fluminense é a segunda que mais gerou empregos no estado do Rio em 2018

Estudo da Firjan aponta que a área criou 79.433 vagas de emprego neste ano

Por Matheus Oliveira
19/09/18 - 11:00
Região Centro-Norte Fluminense é a segunda que mais gerou empregos no estado do Rio em 2018 Criação de Empregos no Centro Norte-Fluminense cresceu em 2018 | Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

De acordo com a série do Firjan, "Retratos Regionais - Cenário Econômico da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan)", a Região Centro-Norte Fluminense -que engloba parte da Região Serrana- foi a segunda que mais gerou empregos no estado do Rio de Janeiro neste ano. No total, a região criou 79.433 vagas de empregos, contando os 12 municípios que integram a área.

Em Nova Friburgo, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a cidade tem um saldo positivo de 593 empregos criados em 2018. A Região Centro-Norte Fluminense terminou o ano com 695 novas vagas de emprego. Os municípios da área são Bom Jardim, Cachoeiras de Macacu, Cantagalo, Carmo, Cordeiro, Duas Barras, Macuco, Nova Friburgo, Santa Maria Madalena, São Sebastião do Alto, Sumidouro e Trajano de Moraes.

A Região Centro-Norte Fluminense possuí os empresários mais otimistas do estado, conforme indica a pesquisa Sondagem Industrial, da Firjan, com pontuação 62,5 pontos. Buscar outros mercados é uma opção que a indústria tem quando a conjuntura local não está atendendo a demanda”, destacou William Figueiredo, coordenador de estudos econômicos da Firjan. Entretanto, o setor econômico ainda reclama dificuldade de se obter crédito e pequena margem de lucro.

A região Centro-Norte possuí a quarta menor população (390 mil habitantes) e terceira menor economia do estado do Rio de Janeiro, com Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 9 bilhões. O setor com maior participação era o de Serviços (39% - R$ 4 bilhões), seguido pela Administração Pública (R$ 3 bilhões), com participação de 29% no PIB. A Indústria, por sua vez, possuía participação de 17% (R$ 2 bilhões).

Já o setor Agropecuário (471 milhões) contribuí com 5% do PIB regional, entretanto era o segundo maior polo estadual nessa atividade, com 16% da produção fluminense. A economia da região era movimentada por cerca de 10 mil empresas (2% do total estadual), sendo quase um terço distribuídas em Serviços. Indústrias eram quase 2 mil. Destaque para a atividade industrial de Vestuário e acessórios, que concentrava 10% do total de empresas da região e 60% das indústrias. As empresas da região empregavam 79 mil funcionários com carteira assinada (2% do total estadual). A Indústria era responsável por 24 mil empregos (30% do total regional), enquanto Serviços concentrava 21 mil. Entre os setores industriais, destacavam-se Vestuário e acessórios, Produtos de Metal, Alimentos, Borracha e Plástico e Produtos Minerais não-metálicos.