Como sobreviver aos inconvenientes do WhatsApp

Confira dicas de etiqueta para não se tornar o mala dos grupos de WhatsApp

Por Ana Blue
09/06/18 - 01:10
Como sobreviver aos inconvenientes do WhatsApp WhatsApp. | Amanda Tinoco

Até pouco tempo, toda forma de interação eletrônica disponível resumia-se ao telefone. Para lidar com ele, cada casa adotava seu protocolo próprio: não se podia atender chamados na hora do jantar, passar o número para estranhos ou ligar em horários previamente acordados como impróprios, por exemplo: telefone tocando de madrugada só em caso de morte na família.

Não passou muito tempo e os smartphones chegaram para dominar o espaço – e o tempo – dos brasileiros. Ao contrário do bom e velho aparelho fixo, renegado aos quatro cantos do lar, o celular nos acompanha o tempo todo, a todo lugar. Pior: ele chega a ditar o modo de convivência da sociedade. E não é de hoje: quem pode seguramente afirmar que não gasta boa parte da vida jogando, conversando, pesquisando e lendo coisas na telinha que atire o primeiro celular da cobrinha.

As redes sociais e os comunicadores instantâneos vieram para facilitar a vida das pessoas, isso não se pode negar, mas com o imediatismo das interações fica fácil também cometer deslizes e até pequenas indelicadezas. E como os ambientes virtuais são espaços novos para todos nós, ainda não existe uma forma regulamentada e específica de etiqueta – a melhor maneira de agir é incorporar as normas concretas de educação do dia a dia ao mundo digital. Fazer com que aquilo que fazemos no mundo virtual seja uma imagem tão fiel quanto possível da nossa própria postura social.

Ou seja, as mesmas regras de etiqueta e bom senso da vida cotidiana valem também na vida virtual, inclusive para os aplicativos de mensagem, como o WhatsApp. Mas, além disso, é sempre possível interagir sem ser invasivo ou excessivo, pois nem só de boa educação vive o homem – aliás, até o excesso de educação pode ser chato. Como resolver essa equação?

EU, EU MESMO E OS OUTROS NO ZAP

1) Eu vi o risco azul

Ok, a pessoa leu sua mensagem, mas não respondeu na hora. Todo mundo tem vida, dirige, cozinha, trabalha, fica chateado. É isso, pare de cobrar resposta imediatamente. Se for urgente, ligue; se não, apenas aguarde a hora que a pessoa puder responder. Qualquer outra reação de cobrança é só pirraça e ansiedade.

2) Senta que lá vem história

Sobre áudios: que chato esse negócio de ficar lotando a memória do celular do coleguinha de bobagem, né? Se a conversa for longa, ligue. Se for algo rápido, dê sempre preferência pela mensagem de texto, ou por áudios mais curtos, concisos, assim você não enche o telefone da outra pessoa (e nem o seu também).

3) Não seja o tio do pavê

Você viu aquele meme, leu aquela piada, acreditou naquela corrente, topou com aquele textão maneiro! Tudo bem. Ninguém vai te julgar. Mas não é porque você achou graça que vai compartilhar a mesma coisa duzentas vezes, em 50 grupos diferentes, amém? Ninguém merece!

4) E por falar em grupo...

Correntes, piadinhas machistas, conteúdo pornográfico, orações para todos os credos, mensagens eternas de bom-dia-boa-tarde-boa-noite… Nem todo mundo acorda com bom humor pra essas coisas. Esse monte de baboseira enche o saco de qualquer um. Enviar coisas do tipo para um grupo é encher o saco de 256 pessoas ao mesmo tempo.

5) A gente tá aqui por que mesmo, hein?

Só escreva no grupo o que for de interesse comum do grupo, relacionado ao tema do grupo, e da forma mais sucinta possível. Eles geralmente são criados com objetivos específicos, para estudo ou trabalho, por exemplo. A quantidade excessiva de mensagens acaba fazendo com que uma mensagem realmente importante fique para trás. As notificações constantes na tela também incomodam.

6) A ovelha negra da família

Os grupos mais propensos a discussões e ofensas são os da família, afinal, ninguém tem tanta munição para ofender alguém como um parente. Portanto, seja gentil, respeitoso, pacífico e, de preferência, invisível. Vídeos de parto, velórios e hospitais em geral estão proibidos, assim como impor o seu posicionamento político. Só tenha paciência com os mais velhos: nesse caso, a oração pode até ser relevada, vai...

7) O funcionário do mês

Você sai do trabalho, mas o trabalho não sai de você? O problema é seu. Receber mensagens do chefe, de clientes ou de colegas de trabalho fora do horário chega a dar calafrios, pois geralmente exigem uma resposta imediata. Não seja essa pessoa. Assunto comercial se resolve em hora comercial. Mas, vale a lembrança: no grupo, continua valendo a hierarquia da empresa. Respeite superiores e use vocabulário adequado.

8) Profissão: administrador de grupo

O administrador, antes de formar um grupo, deve pensar neste com um objetivo claro e definido, de interesse comum a todos. Ao convidar pessoas, explique o motivo do convite e a finalidade do grupo.

9) Resolva-se no PV

Quando tiver uma treta pessoal com algum membro do grupo, lave a roupa suja por mensagem privada, você e o dito-cujo. Os outros participantes não têm nada a ver com isso, ninguém precisa ficar de plateia assistindo chilique de camarote.

10) O WhatsApp e as pessoas despedaçadas

Esse tópico nem precisaria existir, né? Nada mais indigesto do que receber em mãos fotos de acidentes, mortes violentas, pessoas despedaçadas, animais doentes e todo tipo de gosto mórbido. Nada justifica essa divisão de tragédias. Ah, o mesmo vale para futebol, religião e política. A não ser que sua opinião seja solicitada e o grupo suporte esse tipo de conversa, guarde tudo para você.