MENU

Portal Multiplix

Fale Conosco

(22) 3512-2020

Anuncie

Contato comercial

Trabalhe conosco

Vagas disponíveis

No coração das Olimpíadas! Jornalista friburguense vive expectativa de cobrir Jogos de Tóquio

Em entrevista exclusiva, Anna Olivia Wermelinger fala das raízes em Nova Friburgo e sua adaptação à cultura japonesa

Por Matheus Oliveira
29/04/21 - 14:32
No coração das Olimpíadas! Jornalista friburguense vive expectativa de cobrir Jogos de Tóquio Anna Olivia conta sobre a expectativa dos Jogos Olímpicos direto da capital japonesa | Foto: Reprodução/Portal Multiplix

Enquanto Nova Friburgo ainda não possui nenhum atleta classificado para os Jogos Olímpicos, cabe a uma jornalista o papel de representar a cidade da Região Serrana do Rio do outro lado do mundo. Na capital japonesa, Tóquio, a friburguense Anna Olivia Wermelinger trabalha cobrindo os preparativos para a competição e está prestes a entrar em mais uma grande cobertura esportiva enquanto dribla as dificuldades ocasionadas pela pandemia do novo coronavírus.

Em entrevista exclusiva ao Portal Multiplix, a comunicadora falou sobre as origens na serra fluminense, a adaptação à cultura japonesa, os desafios de cobrir as Olimpíadas em meio à pandemia e a saudade do Brasil.

Anna Olivia nasceu em Nova Friburgo, estudou na cidade e foi para o Rio de Janeiro, onde cursou jornalismo e se formou na PUC-RJ em 2002.

A jornalista revela que estagiou no Jornal do Brasil e foi para o canal de esportes SporTV, após ser aprovada em uma prova de estágio. No local, trabalhou como produtora, participou do processo de edição de matérias e com eventos.

“Então, criou-se uma área nos esportes da Globo chamada 'planejamento de grandes eventos', um departamento para produção executiva em que organizamos estrutura e logística de grandes coberturas como Copa, Olimpíadas e mundiais. Comecei a trabalhar nesta área em 2010”, revela Anna.

Assim, ela participou das Olimpíadas de 2012, em Londres, e do Rio de Janeiro, em 2016, além da Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

Ela planejou a Copa do Mundo da Rússia, mas não esteve no Mundial, pois teve que ir para o Japão ao lado do marido, o também jornalista e correspondente internacional Carlos Gil (Globo).

Atualmente, está fazendo reportagens para o Canal Olímpico do Brasil, algo inédito em sua carreira jornalística.

Há três anos no Japão, Anna afirma que a adaptação ao país nipônico foi difícil pela diferença de cultura entre o país oriental e o Brasil.

Além disso, ela revela que os japoneses possuem costumes muito diferentes dos nossos como ficar em silêncio no metrô ou dividir a calçada com os ciclistas.

“Você vê casais de namorados falando baixinho e sem nem se olhar. Temos ainda que dividir a calçada com os ciclistas e as pessoas não se esbarram. Tudo é muito organizado”, afirma.

A comunicadora ressalta que os japoneses têm outros hábitos como separar e carregar todo o lixo, além de não atravessar o sinal aberto para veículos, usar máscara mesmo em períodos sem pandemia e trocar o sapato ao frequentar diferentes ambientes.

Neste processo de aprender com uma nova cultura, ela relembra uma história que mostra a diferença entre Brasil e Japão.

Ela também revela que as casas são projetadas para suportar terremotos, algo frequente em terras nipônicas.

Sobre a preparação para os Jogos, a jornalista friburguense revela que a situação não é favorável e que os atletas que disputarão as provas olímpicas e os profissionais que irão cobrir o evento deverão cumprir uma série de regras e medidas.

“Eles criaram uma espécie de livro com regras a serem seguidas como restrição de circulação e sem que as pessoas possam ir a bares e restaurantes, por exemplo. Além dos testes frequentes, quem vier de outros países terá que passar por quarentena”, explica.

Entre as medidas, estão a proibição de manifestação com cantos durante os eventos e a obrigação dos participantes de usarem máscaras, além de proibir autoridades e equipes de federações internacionais de usarem o transporte público sem permissão.

Outras medidas já anunciadas foram:

  • Os testes de Covid-19 serão diários em atletas
  • O uso do transporte público está proibido. As delegações deverão se deslocar apenas com o transporte oficial disponibilizado pela organização
  • As pessoas envolvidas com a realização dos Jogos vão ter permissão para se deslocar apenas por instalações esportivas e locais pré-determinados
  • Será obrigatório o teste de Covid antes de entrar na Vila dos Atletas, mesmo para quem estiver realizando período de treinos no Japão
  • Os atletas devem deixar a vila no máximo 48h após a última competição
  • As refeições devem ser feitas com distância mínima de 2 metros para outras pessoas
  • Os atletas paralímpicos cadeirantes deverão reforçar a higiene das cadeiras de roda

Faltando menos de três meses para a competição, o governo japonês decretou estado de emergência na capital em virtude do aumento dos casos de coronavírus.

A ida de estrangeiros para acompanhar as Olimpíadas foi vetada pelos japoneses. Anna Olivia explica ainda que os japoneses estão divididos quanto à realização dos Jogos e que este veto aos turistas teve o objetivo de tentar ganhar o público.

Por fim, ela deixou um recado para Nova Friburgo em meio a expectativa de viver mais uma edição das Olimpíadas.

Veja outras notícias da Região Serrana do Rio no Portal Multiplix.


É proibida a reprodução total ou parcial dos conteúdos do Portal Multiplix, por qualquer meio, salvo prévia autorização por escrito.
TV Multiplix
TV Multiplix Comunicado de manutenção TV Multiplix Comunicado de manutenção
A TV Multiplix conta com conteúdos exclusivos sobre o interior do estado do Rio de Janeiro. São filmes, séries, reportagens, programas e muito mais, para assistir quando e onde quiser.