Em Teresópolis, Tite comenta o suposto caso de estupro do atacante Neymar

O técnico também explicou como foi feita a troca de capitães do time

Por Raphael Branco
03/06/19 - 16:53 | Atualizada em 04/06/19 - 09:40
Em Teresópolis, Tite comenta o suposto caso de estupro do atacante Neymar Técnico Tite durante coletiva de imprensa na manhã desta segunda, em Teresópolis | Foto: Divulgação/Lucas Figueiredo (CBF)

Na manhã desta segunda-feira, 3 de junho, o técnico da Seleção Brasileira de Futebol, Tite, participou da sua primeira coletiva de imprensa durante a preparação para a Copa América 2019, no Centro de Treinamento da Comissão Brasileira de Futebol (CBF), na Granja Comary, em Teresópolis. Durante a coletiva, Tite e a comissão técnica responderam perguntas sobre as polêmicas envolvendo o atacante Neymar. Além do técnico, estavam presentes também o coordenador da seleção, Edu Gaspar, e o coordenador técnico de Tite, Kléber Xavier.

Por quase uma hora, Tite e a comissão falaram principalmente sobre a situação em torno de Neymar, indo da agressão a um torcedor na final da Copa da França, acontecimento que o fez deixar de ser capitão do time nesta Copa América, até ao suposto caso de estupro de uma mulher em Paris, levando a polícia civil de Teresópolis até a Granja Comary, neste fim de semana.

Já na primeira pergunta feita a Tite, o técnico demonstrou que não é o momento certo para julgar o atacante e que os dois têm uma relação de confiança nas questões pessoais. “Eu sei da importância do assunto, e sei também que o assunto é pessoal e que tem um tempo para que as pessoas possam julgar os fatos. O que eu posso afirmar é que nos três anos de convívio que eu tenho com o Neymar os assuntos pessoais que nós tratamos foram leais e verdadeiros. Eu não posso julgar. Isso eu não faço”, comentou.

Tite também falou sobre a decisão de retirar a capitania do time de Neymar e passar para o defensor Daniel Alves. Segundo o técnico houve uma conversa entre ele e Neymar sobre o ato de indisciplina e sua conseqüência para a equipe, e relatou que o jogador não soube previamente a quem seria dado o título de capitão. Tudo foi feito por telefone entre Tite e Daniel Alves. “Eu conversei com o Neymar, e conversei inicialmente com o Dani por telefone. E nesse telefonema eu perguntei se ele consentia (em receber o título de capitão) e ele disse que sim, e depois conversamos pessoalmente. E o que nós conversamos está na relação de técnico para atleta; foi com o Neymar, foi o mesmo para o Dani”, disse.

Sobre o impacto desse fato no desempenho de Neymar em campo, o coordenador da seleção, Edu Gaspar, comentou que foi instalada uma assessoria jurídica para que livrasse do atacante as demais preocupações quanto as informações solicitadas pela polícia. “A ideia seria que essa assessoria estive aqui para que o atleta ficasse com a cabeça tranquila e pudesse seguir para a Copa América”.

O suposto caso de estupro

Toda a movimentação começou no último fim de semana, quando policiais da 110ª DP de Teresópolis estiveram na Granja Comary para apurar com o jogador Neymar o suposto vazamento de fotos íntimas da mulher de 26 anos que o acusa de tê-la estuprado, em Paris, no mês de maio.

O jogador não estava no Centro de Treinamento. Ele chegou mais tarde de helicóptero acompanhado dos jogadores Thiago Silva, Daniel Alves e Arthur.

Em nota ao Portal Multiplix, a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DCRI)confirmou que está apurando a suposta divulgação de vídeo por parte do jogador Neymar. A investigação corre sob sigilo.

Com pena de 1 a 5 anos de prisão, este crime está previsto no artigo 2018-C do Código Penal Brasileiro. “Oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, vender ou expor á venda, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio – inclusive por meio de comunicação de massa ou sistema de informática ou telemática -, fotografia, vídeo ou outro registro audiovisual o que contenha cena de estupro ou de estupro de vulnerável ou que faça apologia o induza a sua prática, ou, sem o consentimento da vítima, cena de sexo, nudez ou pornografia”.

Agressão na Copa da França

Já o outro caso polêmico que motivou a retirada do título de capitão da seleção brasileira para Neymar, foi a agressão a um torcedor no final da Copa da França.

A agressão aconteceu quando o time em que Neymar joga, Paris Saint-Germain, perdeu nos pênaltis para o Rennes. Ao término da partida, Neymar foi hostilizado por um torcedor e o agrediu com um soco no rosto. As imagens viralizaram na internet e repercutiram mal para a imagem do atacante da Seleção Brasileira de Futebol.