Lembra do bebê Conrado? Saiba como está a recuperação dele nos Estados Unidos

Menino, de apenas dois anos, cuida de doença rara que gera má formação em membros superiores e inferiores

Por Matheus Oliveira
17/07/19 - 15:25
Lembra do bebê Conrado? Saiba como está a recuperação dele nos Estados Unidos Conrado ficou famoso em Friburgo após campanha que arrecadou fundos para o tratamento nos EUA | Foto: Reprodução/Redes Sociais

Uma nova etapa da recuperação a ser superada. Esta é a situação atual do pequeno friburguense Conrado, de dois anos, que realiza, nos Estados Unidos, tratamento para uma doença rara.

O menino nasceu com hemimelia fibular, que é causada pela ausência total ou parcial da fíbula, gerando uma má formação na perna, deixando uma mais curta que a outra. O braço direito do bebê também tem uma má formação.

A família de Conrado está, desde 1º de novembro do ano passado, em território estadunidense, onde ele passou por diversas cirurgias.

Em dezembro, Conrado passou por um procedimento no pé direito, colocou o fixador e iniciou as sessões de fisioterapia. No final de junho deste ano, foi a vez de retirar o fixador e separar os dedos da mão direita.

De acordo com a mãe, Fernanda Diniz, após a última cirurgia, foi colocado gesso na perna direita e atadura com uma capa na mão direita do garoto.

“O Conrado está bem, graças a Deus. Ele se encontra com o gesso há cerca de quatro semanas. Além disso, está com uma atadura na mão e, por cima, uma capinha, pois colocaram dois pinos no polegar dele”, afirma Fernanda.

O menino Conrado antes de retirar o fixador da perna direitaO menino Conrado antes de retirar o fixador da perna direita | Foto: Reprodução/Redes Sociais

“O Doutor Payley (responsável por chefiar a equipe que cuida do caso de Conrado) separou os dedinhos e acredito que ele até girou o polegar para fixá-lo no lugar certo, e introduzir os pinos. E para eles não ficarem expostos, como forma de proteção, o médico colocou a capinha para evitar que o Conrado os leve à boca ou corra algum risco com os pinos expostos”, afirma.

Fernanda revela ainda ser difícil segurar o filho, que é muito ativo. Ela diz que não existe prazo para que a família retorne ao Brasil, já que após a retirada do gesso e da atadura, Conrado ainda vai passar por fisioterapia, tanto na perna quanto na mão direita.

“Depois da retirada do gesso, ele vai fazer dez sessões de fisioterapia para aprender a andar com o pé direito porque ele nunca encostou o pé totalmente no chão. E, provavelmente depois ou durante esta etapa, o que depende dos médicos, ele deve fazer um tipo de fisioterapia e receber exercícios para trabalhar os movimentos dos dedos, o que também é uma novidade para ele”, finaliza Fernanda.

Relembre o caso

Para conseguir realizar todos os procedimentos descritos acima, a família de Conrado teve que desembolsar o valor de US$ 150 mil (cerca de R$ 600 mil reais). Para alcançar a cifra, familiares e amigos realizaram diversas campanhas por toda a cidade de Nova Friburgo, ao longo de 2018, além de rifas, almoços e até a organização de um bazar para arrecadar recursos.

Durante a campanha, estabelecimentos tradicionais de Nova Friburgo, como a Sorveteria Fribourg e o Bar América, aderiram à causa.

Os progressos da campanha e da cirurgia do menino podem ser acompanhados na página do Facebook Diário do Conrado e no Instagram “@juntospeloconrado”.

Conrado junto aos pais antes de embarcarem para os EUA, em novembro de 2018Conrado junto aos pais antes de embarcarem para os EUA, em novembro de 2018 | Foto: Reprodução/Portal Multiplix