MENU

Portal Multiplix

As bolachas abandonadas

Dois anos do Multiplix tem sido uma batalha contínua para atender aos anseios coloridos das bolachas que não estão nos extremos

Por Hamilton Werneck
28/05/20 - 08:15

Por volta de 2.500 anos antes de Cristo, o filósofo Mani, residente numa região onde se localiza o Iraque, defendia uma teoria de que só teríamos na vida dois caminhos: o certo e o errado ou o bom e o mau. Enfim, quem não está do meu lado, está contra mim e não há meio termo para nada. Tal teoria recebeu o nome de maniqueísmo para honrar seu fundador.

Em tempos de “guerra fria”, após a segunda guerra mundial até 1989, quando Michail Gorbachev governava a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, o mundo dividia-se em dois blocos: capitalismo de um lado, comunismo do outro. O restante procurava alinhar-se a um ou outro lado. Por isso, quando o muro de Berlim foi derrubado, a União Soviética perdeu parte significativa de seu território, muita gente ficou sem saber, exatamente, para onde ir, lembrando uma das cenas finais do filme de Spilberg, “A Lista de Schindler”. A guerra acabara, o campo de Auschwitz abriu seus portões e os prisioneiros liberados; a cruel dúvida permanecia sobre qual caminho seguir para aquelas pessoas massacradas em sua humanidade nos campos de concentração nazistas.

O coronelismo político e social que abrangeu, no Brasil, os ciclos do açúcar e café, não teve contornos diferentes: ou o eleitor estava do lado de um ou de outro “coronel”. Não importava se um deles fosse o conhecido “santo” popular, Padre Cícero Romão Batista. E quem visitar o Juazeiro do Norte e for até o túmulo do “Padim” encontrará, na disposição dos sepulcros algo muito curioso: no pé do altar está sepultado o Padre Cícero Romão Batista; dentro da igreja os coronéis mais chegados ao “ Padim”; no adro da igreja, portanto, do lado de fora, os menos chegados, porém ainda do lado do “coronel-santo popular”; o túmulo das oposições qualquer um pode continuar procurando pelos arredores de Juazeiro do Norte.

Logo após nossa independência, ou melhor, daquele acordo entre Pai e Filho que acabou retratado na letra da música “ou ficar a Pátria livre, ou morrer pelo Brasil”, dois partidos políticos eram fortes: O partido português e o partido brasileiro, este último, sem dúvida, era o “centrão” da época. Prova disso foi o fato posterior ao retorno de Pedro I a Portugal em 1831. O partido português queria o retorno de Pedro I ao Brasil e o partido brasileiro desejava coroar Pedro II. Mas, ao longo de nove anos, foram engolindo a regência, ora com três pessoas, ora com uma, para que Pedro II atingisse a maioridade. A crise aumentou, o perigo era o regente Diogo Feijó que ameaçava proclamar a República. Chegamos a 1840, estando Pedro II com 14 anos de idade. Foi nesta crise que o partido brasileiro, nome do “centrão”, naquela época, resolveu atender às forças dominantes com uma atitude pouco constitucional, também retratada num verso popular: “viva Pedro II, mesmo sem ter idade, abaixo a Constituição e viva a maioridade”. As nossas Cortes, nome do Congresso Nacional à época, diminuíram a maioridade para 14 anos, coroaram Pedro II e voltaram a maioridade para os patamares anteriores, logo após.

Deveriam perguntar: de que lado você está, do partido português ou do partido brasileiro?

A história Universal e a história Pátria estão marcadas pelas posições antagônicas, isso não representa novidade alguma na vida humana.

O que é anacrônico é chegarmos ao século XXI com estes mesmos critérios de julgamento, olhando as bolachas em cada extremidade, esquecendo as demais com variadas cores e necessidades.

As democracias lidam com essas diversidades e, o escritor argelino, radicado na Europa, Jacques Derridá, trabalhou muito bem a questão da diferença (la différrence). Democracia implica lidar com diferenças de pensamento, artes diferentes, correntes filosóficas diferentes e pessoas diferentes. Não saber lidar com esta gama ou caldo cultural é um atraso histórico que remonta 4.500 anos. Hoje, vivemos isto no Brasil, em que pese o fato de pessoas, políticos, governadores, setores do judiciário conseguirem espernear e até impor derrotas a este pensamento.

Não é estranho às democracias a existência de conflitos e do contraditório. Trata-se de coisa normal, salvando-se as cláusulas pétreas da Constituição Federal. Portanto, discutir, discordar, propor e contrapor é coisa normal. O que não é normal dentro da democracia é o que se chama de CONFRONTO. Vale dizer: fomentar brigas, criar encrencas todos os dias, exatamente para que a distração provocada pelo confronto, permita a DESRUPÇÃO, ou seja, o desmantelamento das estruturas, a demolição do edifício democrático. É próprio de quem confronta, a criação de judicializações a todo o custo e a toda hora. Evita, o confrontador, a necessária paz para que se governe.

Pensemos: a desrupção só consegue acontecer se não houver governo e, se o governo for desruptivo, a ele mesmo interessa manter o clima de beligerância porque este clima favorece as aglomerações em torno, apenas, de duas bolachas. Nisso consiste o atraso levando a sociedade para caminhos menos justos e perfeitos.

Tal situação joga a maior parte da sociedade na desgraça do desemprego, nas dependências de juros escorchantes, na convivência com as injustiças, acabando por fazê-la ver acordos, antes considerados nefastos, praticados pelos políticos derrotados nas últimas eleições. Simplificando: o discurso que derrotou o adversário, faz parte da prática da governança apelidada de “nova política”.

Estamos sentados sobre uma bomba humana, prestes a explodir. Não se controla a massa necessitada oferecendo BRIOCHES, como fazia Maria Antonieta.

E, se há sempre uma guilhotina enferrujada, encostada em algum galpão, aguardando o pedestal, lembremos de Sartre que dizia que o fascismo era uma cadela que estava sempre no cio.


O Portal Multiplix não endossa, aprova ou reprova as opiniões e posições expressadas nas colunas. Os textos publicados são de exclusiva responsabilidade de seus autores independentes.

TV Multiplix
TV Multiplix Comunicado de manutenção TV Multiplix Comunicado de manutenção
A TV Multiplix conta com conteúdos exclusivos sobre o interior do estado do Rio de Janeiro. São filmes, séries, reportagens, programas e muito mais, para assistir quando e onde quiser.