Futebol de mesa: uma tradição esportiva que resiste ao tempo e a evolução tecnológica

Associação em Nova Friburgo é a única do Brasil que funciona nos dias de semana e ainda promove campeonatos semanais da modalidade em shoppings, clubes e outros diversos locais

Por Ana Blue
12/06/18 - 16:41
Futebol de mesa: uma tradição esportiva que resiste ao tempo e a evolução tecnológica Futebol de mesa é um dos esportes mais tradicionais de Nova Friburgo. | Foto: Divulgação / Associação Friburguense de futebol de mesa

Inventado por um brasileiro chamado Geraldo Cardoso, o futebol de mesa é um dos esportes mais tradicionais de Nova Friburgo – com direito a uma associação, fundada em agosto de 1984. Iniciada, à época, por Fernando Caruso, Aladir Romão, Gustavo Valadares, Antônio Paulo Batista e Jairo Leão, amantes dos botões, a Associação Friburguense de Futebol de Mesa (AFFM) se mantém ativa e mudando a vida de muita gente.

No início, os jogos aconteciam na casa de Antônio, no centro da cidade. Depois, Gustavo negociou com o sogro um espaço na Rua Sete de Setembro, que a associação ocupou por uma década. Quando o imóvel precisou ser devolvido, os jogadores passaram a espalhar as mesas em vários lugares da cidade, desde o barracão do Bloco Bola Branca, Sesc, Sesi e até num shopping. A perda da sede, que parecia ser um problemão naquele momento, acabou sendo um evento positivo, pois com as mesas espalhadas pela cidade o esporte se disseminou ainda mais entre a população. O espaço cedido pelo shopping, aliás, foi visitado pelo ex-jogador e ex-presidente do Vasco da Gama, Roberto Dinamite, em 2001. Ele foi, então, nomeado como patrono da instituição.

Apesar dos muitos locais que receberam as mesas, havia ainda nos associados o desejo por uma sede própria novamente. Foi se desfazendo de dois carros e uma sala comercial e contraindo uma dívida considerável que Fernando Cruz, presidente da associação, tornou esse sonho realidade. O advogado conseguiu comprar a cobertura de um prédio na Rua Prefeito Eugênio Müller, no Centro, dando lugar à nova sede do grupo. A sala, completamente adaptada, reúne não só as mesas montadas para os jogos, como também boa parte da história vivida ao longo de 30 anos.

A associação friburguense é a única do Brasil que funciona nos dias de semana e ainda promove campeonatos semanais em shoppings, clubes e outras entidades. A participação é gratuita e desde 2010 — quando chegou a ter 600 associados — não é necessário efetuar qualquer tipo de cadastro (exceto quando o atleta é federado), tampouco ser habilidoso: basta estar disposto a participar dessa modalidade esportiva que resiste ao tempo. Ao abrir espaço à comunidade, os talentos surgem com frequência e Nova Friburgo revela ter grande potencial para o futebol de mesa. Integrantes da atual equipe principal da AFFM/Friburguense, Christofer Barres e Marcus Vinicius (líder do ranking carioca e convocado para o sul-americano de seleções, na Argentina) levam o nome da cidade Nova Friburgo aos primeiros lugares do país na categoria principal. A história de Marcus Vinícius, popularmente conhecido como “Marquinhos”, se confunde com o começo do esporte na cidade. O atleta local iniciou a carreira em 98, antes da associação ser filiar a Federação Carioca da modalidade. Ele ainda passou por Vasco e Fluminense, conquistando diversos títulos estaduais.

“Em 2012, já com saudade de "casa", voltei pra AFFM/Friburguense para ajudar na montagem da equipe que seria em 2013, vice-campeã e campeã Estadual nos anos 2015 e 2016. Além disso em 2014 e 2015 fui membro da Seleção Brasileira, que foi bicampeã sul-americana. Ainda no ano de 2015 joguei pela Seleção também no Mundial disputado na Hungria onde também fomos campeões. Como pode ver, são 20 anos dedicamos ao futebol de mesa e a maior parte deles pela AFFM, o que me enche de orgulho”, destacou. Ele ainda comentou sobre o atual momento do esporte a nível nacional.

“Para ser muito franco, o futebol de mesa é um esporte que possui poucas crianças jogando hoje, pois é muito difícil competir com os eletrônicos. Sendo assim, seu crescimento está ameaçado. No entanto, Nova Friburgo ainda é uma cidade que possui muitos amantes do esporte. Nosso papel é continuar levando o nome da cidade por todos os cantos contando com a ajuda das mídias locais para divulgação, algo que acontece com certa frequência”, revelou.

Para ele, representar a cidade é motivo de orgulho, projetando uma temporada de sucesso da equipe local.

“Representar a cidade e o Friburguense fora de nossas montanhas é motivo de muito orgulho para toda nossa equipe, algo que nos faz manter os treinos e a seriedade que damos ao esporte. Esse ano temos o Sul-Americano que será disputado na cidade do Rio de Janeiro, entre 12 e 14 de outubro, e o Mundial a ser jogado na cidade de Lisboa em Portugal, entre os dias 14 e 19 de novembro. A expectativa é muito grande para todos nós, por isso estamos treinando em média duas vezes por semana para podermos chegar bem nessas competições. Porém é preciso lembrar que temos vaga apenas nos torneiros individuais destes grandes campeonatos. O Mundial, que nos causa certa apreensão, pois apesar de termos vaga, pode acontecer de não irmos se não tivermos apoio financeiro, tendo em vista o alto custo da viagem para um esporte amador como o nosso”, afirmou, completando em seguida.

“Como disse anteriormente, é um esporte que precisa de renovação para que continue crescendo. Todos os clubes grandes possuem equipes, mas apenas as equipes do Vasco, Corinthians e Palmeiras ajudam seus atletas financeiramente para que estes possam ir a todas as competições. Além disso existem clubes em São Paulo que recebem ajuda das prefeituras da cidade que representam, casos do XV de Agosto de Socorro e Meninos FC de São Bernardo do Campo. Talvez por isso, essas equipes citadas são as mais vitoriosas no âmbito nacional. Estamos falando de um esporte amador que é quase que 100% custeado por seus atletas, por isso sempre pedimos ajuda. É um esporte muito gostoso de jogar, além de ser um ótimo fator de socialização pois conhecemos gente de vários lugares além de fazermos amigos”, ressaltou.

A Resolução n.º 14, de 29 de setembro de 1988, reconhece o futebol de mesa como modalidade desportiva praticada no Brasil, como uma vertente dos esportes de salão, nos quais se incluem o xadrez e o bilhar, por exemplo. O esporte é praticado oficialmente em cinco modalidades; quatro oficiais (disco, bola 12 toques, bola 3 toques e dadinho) e uma experimental (pastilha). A Confederação Brasileira de Futebol de Mesa (CBFM) regula e orienta a prática desse esporte no Brasil, e a Federação de Botão do Estado do Rio de Janeiro (FBERJ), no Estado. Em 2002 a AFFM se associou a ambas as entidades.