MENU

Portal Multiplix

Fale Conosco

(22) 3512-2020

Anuncie

Contato comercial

Trabalhe conosco

Vagas disponíveis

Cachoeiras de Macacu completa 342 anos neste sábado

A terra das águas cristalinas mantém sua economia baseada na agricultura e dá um show à parte quando o assunto é natureza

Por Bárbara Storck
14/05/21 - 17:02
Cachoeiras de Macacu completa 342 anos neste sábado Cachoeiras de Macau celebra 342 anos de história | Foto: Reprodução/Portal Multiplix

Cravada em meio à Mata Atlântica e dona de cenários irresistíveis, Cachoeiras de Macacu completa neste sábado, dia 15, 342 anos!

A cidade teve seus primeiros habitantes no século XVII, mas seu começo está relacionado à ocupação do recôncavo da Baía da Guanabara, ainda no século XVI. Em 1567 o fidalgo português Miguel de Moura recebeu uma sesmaria (grande extensão de terras) na planície do Rio Macacu.

A equipe do Portal Multiplix conversou com o historiador Vinícius Maia, que nos explicou que “Miguel de Moura era secretário do Rei em Portugal. Ele ganhou essas terras, mas nunca veio ao Brasil. Então, como ele nunca veio, ele deveria aproveitar as terras em três anos, como era a legislação na época. Sendo assim, deu as terras para a companhia de Jesus, que se estabeleceu, então, na região.”

Porém, algumas discussões envolvem o real ano de aniversário de Cachoeiras de Macacu. Segundo Vinícius, “depois, por uma série de processos, vai ser fundada na região dessas terras, no final do século XVII, em 5 de agosto de 1697, pelo governador do Rio Artur de Sá Meneses, uma vila que vai ser a primeira vila do recôncavo do Rio de Janeiro, a Vila de Santo Antônio de Sá. Essa questão já está amplamente documentada e coloca meio que um xeque-mate no nosso tradicional 15 de maio de 1679, quando é comemorado o aniversário. Nesse caso, Cachoeiras completa, oficialmente, 342 anos (15.05.1679) e, extraoficialmente, 324 anos em agosto (05.08.1697). Enfim, essa vila vai dar origem ao município de Santo Antônio de Sá, com várias freguesias. Durante bastante tempo, até o século XIX, início do XX, esse município vai sofrendo uma série de alterações na sua denominação, na localização de suas sedes, na sua extensão territorial até chegar no que é hoje, Cachoeiras de Macacu."

E assim como a data de aniversário, a origem do nome da cidade também envolve debates. O município é atravessado pelo Rio Macacu, o maior rio que deságua na Baía de Guanabara, tanto em extensão quanto em volume d’água. A sede da cidade fica na região mais encachoeirada desse rio, daí vem o “Cachoeiras”. Já a palavra macacu é de origem indígena e pode ter dois significados. Um deles é de ser uma árvore da família do Pau Brasil, de onde se extraía tinta. Outra versão é que seria uma ave chamada macuco, que constrói ninhos no chão. O historiador também nos explicou melhor essa questão. “Quando você vai pesquisar por essa árvore macacu, você não encontra referência, ao menos na literatura, para a existência dela aqui na região do Rio de Janeiro, mas sim para a região amazônica. Então, a gente tem essa discussão sobre Macacu ser uma árvore ou uma ave. O mais aceito popularmente é a questão da árvore, e se diz que ela não é mais encontrada aqui na região porque foi extinta.”, disse Vinícius.

A natureza de Cachoeiras de Macacu dá um show à parte!

O município tem uma das maiores áreas preservadas de mata ombrófila nativa atlântica. E isso sem falar na diversidade ecológica, em espécies animais, da cidade. São aves, répteis, insetos, peixes.

Vinícius conta que "essa diversidade gigantesca, inclusive, é muito estudada pelo pessoal do projeto REGUA, na Reserva Ecológica de Guapiaçu. Eles fazem um estudo muito profundo dessas espécies e uma curiosidade legal é que eles fazem a reintrodução de antas na Mata Atlântica. A REGUA faz um projeto de reflorestamento enorme na região, numa região que era totalmente desmatada e faz esse trabalho de pesquisa da diversidade ecológica e de reintrodução de animais, como a anta, que eles recentemente têm feito e têm tido muito sucesso. Acho que isso é uma curiosidade bem legal."

Mas além da Reserva Ecológica de Guapiaçu, outras importantes unidades de conservação criadas em Cachoeiras de Macacu são o Parque Estadual dos Três Picos e a área de proteção ambiental do Rio Macacu.

E já que estamos falando sobre natureza, não podemos deixar de citar algumas belezas naturais da cidade que são de tirar o fôlego, como a Pedra do Faraó, a Pedra do Oratório, a Pedra da Mariquita, Mulher de Pedra, e a Pedra do Colégio, o símbolo da cidade. As quedas d’água também são famosas na cidade, como o Tenebroso, Sete Quedas, Barba, Samambaia, Chapadão e Furna da Onça.

E tantas belezas assim não poderiam deixar de atrair turistas pra lá de radicais. Atualmente, Cachoeiras de Macacu tem se tornado uma atração para os praticantes do trekking, do montanhismo, do rapel e de outras modalidades de esportes radicais e de ecoturismo.

Características de Cachoeiras de Macacu:

A cidade, que desde 2013 faz parte da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, teve sua população estimada, em 2020, em 59.303 habitantes, de acordo com o IBGE.

Atualmente, Cachoeiras de Macacu é o 9º maior município em extensão territorial do Estado do Rio de Janeiro, com 953,801 Km².

Sede da prefeitura de Cachoeiras de MacacuSede da prefeitura de Cachoeiras de Macacu | Foto: Reprodução/Portal Multiplix

A base da economia local ainda é a agricultura. Vinícius explica que “no século XVIII, a região era uma grande produtora de gêneros para abastecimento, que é arroz, farinha, feijão e milho e até hoje o município tem essa característica da pequena e média propriedade agrícola. De maneira geral, ele funciona com uma economia agrária, mas também com grande parte do seu produto interno bruto no comércio e nos serviços. E tem uma outra questão que é a gestão pública. A Prefeitura também sobrevive muito de verbas externas, FPM, Fundo Nacional de Educação e, em grande parte, pelos royalties de petróleo.”

Cachoeiras de Macacu era dividida em três distritos: Cachoeiras (sede), Japuíba, e Subaio. Porém, em 2015, uma Lei Complementar transformou a cidade em município de distrito único, cujo todo território passou a denominar-se distrito-sede.

Lugares para visitar na cidade:

1. Parque Terra Santa

Localizado no bairro Japuíba, o Parque Terra Santa é uma espécie de santuário ecológico em meio à mata atlântica que conta com diversas esculturas bíblicas. Até para quem não é religioso, vale a pena conhecer e desfrutar da paisagem.

Esculturas do Parque Terra Santa Esculturas do Parque Terra Santa | Foto: Reprodução/Portal Multiplix

2. Cachoeira do Jequitibá

A Cachoeira do Jequitibá é o lugar ideal para quem quer curtir a natureza com tranquilidade e privacidade. Para chegar até ela, é preciso passar por uma trilha de intensidade moderada. São aproximadamente trinta minutos de caminhada pela mata.

3. Parque Estadual dos Três Picos

Quem é amante do montanhismo, precisa conhecer o Parque Estadual dos Três Picos, que é considerado o maior parque do estado do Rio de Janeiro. Fica em uma área com cerca de 60 mil hectares, que compreende os municípios de Cachoeiras de Macacu, Nova Friburgo, Silva Jardim, Guapimirim e Teresópolis. Possui trilhas com vários níveis de dificuldades, pontos de escalada, acesso a mirantes e muito mais.

4. Poço das Samambaias

Cercada por muito verde e pedras, essa espécie de piscina natural tem pontos de salto de mais de dois metros de altura. Ideal para quem quer brincar e relaxar mesmo.

Local é uma das pedidas para quem quer relaxar Local é uma das pedidas para quem quer relaxar | Foto: Divulgação/Prefeitura de Cachoeiras de Macacu

5. Pedra do Faraó

A Pedra do Faraó fica localizada exatamente no limite entre Cachoeiras de Macacu, Nova Friburgo e Silva Jardim. Conhecida também como Pedra da Visão, recebeu esse nome por se assemelhar ao formato da cabeça de um faraó. Mas, atenção! O acesso até o mirante não é fácil e exige técnica e preparo físico. O trajeto é feito em mata fechada e é comum encontrar alguns animais silvestres e peçonhentos. Uma aventura para os fortes!

6. REGUA – Reserva Ecológica de Guapiaçu

A REGUA é uma reserva natural que recebe, além de turistas, universidades e centros de pesquisa. Há mais de 15 anos garante proteção aos remanescentes da mata atlântica e à biodiversidade de Cachoeiras de Macacu. No local existem trilhas e várias espécies de animais para se conhecer.

7. Igreja de São José da Boa Morte

A Capela São José da Boa Morte foi erguida no século XVIII, mais especificamente no ano de 1734. Hoje, a construção está em ruínas, o que garante um charme histórico e boas fotos!

Igreja é um dos pontos que rende ótimos cliquesIgreja é um dos pontos que rende ótimos cliques | Foto: Reprodução/Portal Multiplix

8. Poço das Bruxas

O Poço das Bruxas é um local para toda a família. É mais uma das maravilhas naturais de Cachoeiras de Macacu e conta com correntezas, mas também com espaços mais calmos e com menos pedras, recomendados para as crianças.

9. Cachoeira das Sete Quedas

A Cachoeira das Sete Quedas é apontada como uma das mais bonitas da cidade, mas o trajeto também é feito por uma trilha de mata fechada. Apesar disso, a caminhada é tranquila de fazer e, no final, você ainda pode se refrescar nas águas da queda d’água.

Parabéns aos cachoeirenses pelos 342 anos de Cachoeiras de Macacu!

Veja outras notícias da Região Serrana do Rio no Portal Multiplix.


É proibida a reprodução total ou parcial dos conteúdos do Portal Multiplix, por qualquer meio, salvo prévia autorização por escrito.
TV Multiplix
TV Multiplix Comunicado de manutenção TV Multiplix Comunicado de manutenção
A TV Multiplix conta com conteúdos exclusivos sobre o interior do estado do Rio de Janeiro. São filmes, séries, reportagens, programas e muito mais, para assistir quando e onde quiser.