Região Serrana teve 344 pássaros apreendidos em cativeiros só neste ano

Em 2018, foram 956 aves resgatadas na região pelo Comando de Polícia Ambiental

Por Sara Schuabb
19/06/19 - 11:10
Região Serrana teve 344 pássaros apreendidos em cativeiros só neste ano Apreensão de cinco pássaros feita em uma residência em Santa Maria Madalena, em 9 de junho | Foto: Divulgação/PMERJ

Apreensões de pássaros em cativeiros têm sido recorrentes na Região Serrana do Rio de Janeiro. Segundo o Comando de Polícia Ambiental (CPAm), até a primeira semana de junho de 2019, 344 pássaros da fauna silvestre foram resgatados em situações ilegais na Região Serrana do Rio - que integra os municípios de Bom Jardim, Cantagalo, Carmo, Cordeiro, Duas Barras, Macuco, Nova Friburgo, Petrópolis, Santa Maria Madalena, São José do Rio Preto, São Sebastião do Alto, Sumidouro, Teresópolis e Trajano de Moraes.

Em 2018, os números registrados na região foram de 956 aves apreendidas, enquanto em todo o estado do Rio foram 5.338 pássaros.

Um exemplo de caso de apreensão ocorreu em 9 de junho, na área rural de Agulha dos Leias, em Santa Maria Madalena. Uma ação de policiais militares do Comando de Polícia Ambiental flagrou um homem com cinco pássaros em cativeiro em sua casa. De acordo com a CPAm, foram resgatados um bico-de-lacre; um tico-tico; um melro e dois pixoxós, que são endêmicos da Mata Atlântica e estavam sem autorização ambiental.

Pássaro azulão estava entre as aves resgatados em cativeiro, em CantagaloPássaro azulão estava entre as aves resgatados em cativeiro, em Cantagalo | Foto: Banco de Imagem

Outro caso recente ocorreu em 14 de maio, em que a polícia ambiental flagrou, em uma residência no distrito de São Sebastião do Paraíba, em Cantagalo, dois trinca ferros, quatro azulões, um melro, dois coleiros e um pixoxó. Os pássaros, posteriormente, foram soltos no Parque Estadual do Desengano, que abrange municípios de Santa Maria Madalena, São Fidélis e Campos dos Goytacazes.

De acordo com o Instituto Nacional de Meio Ambiente (Inea), os animais silvestres apreendidos são encaminhados ao centro de triagem do órgão para avaliação clínica, a fim de serem devolvidos à natureza.

Comercialização de aves silvestres de forma ilícita é crime

Ao comprar uma ave é preciso assegura-se de que a nota fiscal da compra contenha os dados da loja ou criadouro, inclusive o CNPJ; também é preciso fazer um requerimento do certificado de registro da ave, que é emitido pelos órgãos competentes e comprova a legalidade da sua compra. Para mais detalhes, é possível entrar em contato com a Linha Verde do Ibama: 0800-618080.