Esqueça os escorpiões! Acidentes com aranhas em Nova Friburgo são 5 vezes maior

Só entre janeiro e julho de 2019, foram registradas 95 ocorrências de picadas por aranhas. Número já é bem maior do que o registrado em todo o ano passado

Por Luisa Machado
12/08/19 - 10:20
Esqueça os escorpiões! Acidentes com aranhas em Nova Friburgo são 5 vezes maior Acidentes com aranhas superam o número de registros de picadas por escorpiões em Nova Friburgo | Foto: Banco de Imagem

Em Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio de Janeiro, de vez em quando, casos envolvendo aparecimento de escorpiões viram notícia, como informado pelo Portal Multiplix em mais de uma ocasião. Mas, de acordo com dados da Secretaria de Saúde do município, não são os escorpiões os maiores vilões quando o assunto é acidente com animal peçonhento.

De janeiro a julho de 2019, foram 15 ocorrências de picadas de escorpião, enquanto 95 ocorrências envolvendo aranhas foram registradas. Outro dado que chama a atenção é quando se compara os números dos sete primeiros meses deste ano com os de todo o ano de 2018. No ano passado, foram registrados 56 casos de picadas envolvendo aranhas e apenas seis com escorpiões.

O biólogo friburguense, Péricles Muniz Brito, explica que a Região Serrana do Rio é propensa ao aparecimento desses animais por estar localizada em um dos principais biomas do Brasil, a Mata Atlântica. Para o biólogo, apesar de nem sempre ser feito, o registro dessas ocorrências é essencial para que seja possível oferecer, às vítimas, a melhor solução.

“É muito importante que se faça os registros dos acidentes e os animais com vida devem ser encaminhados para a vigilância para cadastro. O Ministério da Saúde trabalha com estatísticas e esses registros servem para direcionar o soro e vacinas para regiões afetadas com ocorrência desse tipo de acidente”, conta Péricles.

Para evitar ser picado por animais peçonhentos, o biólogo ressalta que é necessário estar atento a todo tempo. Para cuidados com escorpiões e aranhas, por exemplo, deve-se ter maior atenção no período da noite, quando esses aracnídeos são mais ativos. Outra boa dica é inspecionar todos os cômodos da casa antes de dormir, principalmente as camas.

“Para trabalhadores que atuam em áreas de matas, com serviço de jardinagem ou coletores de lixo, é essencial o uso de luvas e botas de cano alto para evitar acidentes. Quem mora em áreas rurais como fazendas, chácaras, sítios próximos às matas ou pessoas que fazem trilhas devem estar sempre vigilantes. É muito importante não colocar a mão em tocas ou buracos na terra, ocos de árvores, cupinzeiros, em espaços situados em montes de lenhas ou entre pedras. Caso seja necessário mexer nesses locais, a pessoa deve usar um pedaço de madeira, enxada ou foice”, aconselha Péricles.

Ocorrências com animais peçonhentos na Região Serrana do Rio

As últimas informações disponibilizadas pelo Sistema de Informações de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde, na Região Serrana do Rio (contando os municípios de Bom Jardim, Cantagalo, Carmo, Cordeiro, Duas Barras, Macuco, Nova Friburgo, Petrópolis, Santa Maria Madalena, São José do Vale do Rio Preto, São Sebastião do Alto, Sumidouro, Teresópolis e Trajano de Moraes), no período de 2007 a 2015, foram 904 casos de picadas com aranhas e 339 com escorpiões.

Nova Friburgo é a cidade da região com o maior número de registros de acidentes com animais peçonhentos e, também de 2007 a 2015, foram registrados 756 casos.

Estado do Rio de Janeiro e Brasil

Dados do Sinan mostram que no estado do Rio de Janeiro, no período de 2007 a 2015, o número de ocorrências envolvendo escorpiões e aranhas é bem parecido, sendo registradas 2.418 picadas de aranhas e outras 2.412 de escorpiões.

No Brasil, no mesmo período, ocorreram 787 mil acidentes com aranhas e escorpiões e, desse montante, mais da metade das ocorrências envolvia escorpiões.