MENU

Portal Multiplix

TSE afirma que urnas são seguras e uso é transparente

Equipamentos são usados no Brasil desde as eleições de 1996

Por Redação Multiplix
09/11/20 - 10:26
TSE afirma que urnas são seguras e uso é transparente Programas usados nas urnas eletrônicas são desenvolvidos pelo TSE | Foto: Antônio Augusto/Ascom TSE

Todo ano de eleição é a mesma coisa: dúvidas e questionamentos sobre a segurança e a utilização das urnas eletrônicas pela Justiça Eleitoral nas eleições.

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em 2018 grupos políticos e eleitores criaram dúvidas e suspeitas sobre o sistema utilizado e a legitimidade dos resultados e, por conta disso, o órgão eleitoral reforçou que todas as medidas adotadas são transparentes e podem ser acompanhadas pelos partidos e outras instituições.

Desde as eleições municipais de 1996, as urnas eletrônicas são utilizadas no Brasil. Segundo o secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, a iniciativa de aplicar os equipamentos veio das falhas da coleta e apuração humanas.

“Tínhamos muita intervenção humana e, com isso, três características: Lentidão, prática de erros e possibilidade de fraude pela manipulação da informação. Houve possibilidade de se transformar um processo que era lento e cheio de erros e fraudes em um processo célere, com garantia de integridade e proteção, com rastreabilidade que está ligado à transparência”, explicou o secretário.

Nos Estados Unidos, por exemplo, os votos são feitos a partir das cédulas que podem ser enviadas pelos Correios ou nos colégios eleitorais. As apurações demoram para acontecer, já que é preciso contar todos os votos, como foi observado mais uma vez neste ano.

No Brasil, com as urnas eletrônicas, os resultados saem em algumas horas após o término das eleições. Em alguns estados e municípios, dependendo do tamanho, a população conhece prefeito e vereadores em pouco tempo após o encerramento do pleito.

”A partir do início do seu emprego o sistema foi sendo aperfeiçoado e foram inseridas novas funcionalidades. Ele considera que o projeto garante segurança e transparência”, destacou Giuseppe.

As tecnologias usadas pelas urnas eletrônicas são desenvolvidas pelo TSE e, seis meses antes da eleição, partidos políticos, Ministério Público, Polícia Federal e etc podem se habilitar para verificar a metodologia utilizada. Quando o processo é concluído, esses programas são blindados e geram um código que garante a integridade da urna.

“Em cada um deles é feito um código matemático e isso gera um dígito verificador. Isso garante integridade. Fazemos um conjunto de assinaturas em cima desses programas que vão desde o chefe da unidade, coordenador, secretário de tecnologia e autoridades como o presidente do TSE, PGR [Procuradoria-Geral da União], presidente da OAB [Ordem dos Advogados do Brasil], que fazem a última camada de assinaturas”, disse.

A partir disso, os tribunais regionais eleitorais recebem uma cópia e outra fica no cofre do TSE. Quando o programa é colocado nas urnas, elas fazem a leitura e conferem as assinaturas e começa a funcionar.

“Este fato de subtrair uma urna não preocupa, ela tem todo um esquema de proteção porque ela não vai funcionar e não vai gerar dado que não será oficial. Existem vários pontos de segurança e verificação que garantem a integridade do processo”, frisou Giuseppe.

Veja outras notícias da Região Serrana do Rio no Portal Multiplix.


É proibida a reprodução total ou parcial dos conteúdos do Portal Multiplix, por qualquer meio, salvo prévia autorização por escrito.
TV Multiplix
TV Multiplix Comunicado de manutenção TV Multiplix Comunicado de manutenção
A TV Multiplix conta com conteúdos exclusivos sobre o interior do estado do Rio de Janeiro. São filmes, séries, reportagens, programas e muito mais, para assistir quando e onde quiser.