Sobre sair e voltar

Por Ricardo Lengruber
11/03/19 - 09:19

Escrevi diversas vezes sobre a inquietude que mora dentro de cada pessoa. Somos uma espécie incomodada e desalojada. A sensação que nos consome todos os dias é que estamos sempre em busca de algo perdido ou de alguma coisa que nos ultrapassa. A transcendência, por assim dizer, é o pão nosso de cada dia.

Por isso, gostamos tanto de viajar!

Viajamos porque desejamos sair de casa; porque ansiamos deixar para trás um universo de comodidades e lugares conhecidos; porque nos cansamos facilmente com o cotidiano e sua entediante rotina. O primeiro movimento do viajante é sair.

Viajamos, também, porque aspiramos por novidade; porque nos toca desde dentro a sanha pelo desconhecido; porque nos cativa muito ter a sensação de desbravar. O segundo movimento do viajante é ousar.

Viajamos, ainda, porque gostamos - ainda que momentaneamente - da sensação de estar solto no mundo; porque apreciamos a imersão num outro universo, noutra cultura, com outras pessoas em outros ambientes; porque precisamos de um pouco de anonimato. O terceiro movimento do viajante é descobrir.

Viajamos, entretanto, para voltar. Não faz sentido, simplesmente, ir. Para que uma viagem tenha razão de ser e não sucumba na pena dos andarilhos errantes, é imprescindível voltar. Porque se é verdade que a sensação de sair é gostosa, mais estimulante, talvez, seja os sentimentos que envolvem o retorno. Não o retorno de quem naufragou na aventura e, sem opção, volta; mas o retorno de quem ousou sair, arriscou o desconhecido e o anonimato, e, por decisão própria, preferiu voltar. O quarto movimento do viajante é voltar.

Quem bem expressou esse tantos movimentos foi Fernando Brant: "tem gente que chega pra ficar; tem gente que vai pra nunca mais; tem gente que vem e quer voltar; tem gente que vai e quer ficar; tem gente que veio só olhar; tem gente a sorrir e a chorar; e assim, chegar e partir." (Encontros e Despedidas)

Há viagens que se simulam, apenas; não são viagens de fato. São turismo, simplesmente. São arremedos desse processo tão rico que nossa alma aspira.

Entre a desilusão dos andarilhos (que seguem sem origem e sem destino) e a artificialidade dos pacotes de turismo (que simulam o faz-de-conta da aventura), há a sublime coragem de viajar. De sair e de voltar. De decidir sair, ficar, desistir, voltar (não necessariamente nessa ordem).

Viagens explicam bem a vida. São como que aperitivos da estimulante jornada do viver. Novamente: "são só dois lados da mesma viagem: o trem que chega é o mesmo trem da partida; a hora do encontro é também de despedida; a plataforma dessa estação é a vida..."


O Portal Multiplix não endossa, aprova ou reprova as opiniões e posições expressadas nas colunas. Os textos publicados são de exclusiva responsabilidade de seus autores independentes.