Ponto e contraponto

Por Rachel Rabello
18/02/19 - 10:02

Enquanto a água subia ela pensou em salvar uma fotografia, um livro, um aparelho de som. Sempre fora eficiente em situações como aquela, de crise, em que era preciso agir rapidamente. Mas a medida que a água subia e subia, ela se deu conta de que era inútil tentar conter o inevitável – e desistiu.

Pouco a pouco a água foi levando e lavando o sofá, as mesas de centro, o tapete, as almofadas, as caixinhas de porcelana, os livros de arte, as miniaturas, cada pequeno objeto seu boiando em água lamacenta.

E ela ali. Parada.

O corpo já quase submerso.

*

Acordou sobressaltada e pensou se teria adormecido com o cigarro ainda aceso nos dedos. Os remédios que lhe receitaram eram muito fortes e o sono era pesado como a morte.

Por um segundo desejou não ter despertado e morrer.

Tivesse se resignado e seria chama. Mas pensou que ainda tinha muito a viver ou que não queria deixar a impressão de que havia desistido.

Correu à janela a gritar por socorro.

O fogo já quase a alcançava.

Subiu no parapeito.

Acordou com um tubo na garganta e o corpo enfaixado. Não podia se mover. Respirar doía. Tudo doía.

Por um segundo desejou não ter despertado e morrer.


O Portal Multiplix não endossa, aprova ou reprova as opiniões e posições expressadas nas colunas. Os textos publicados são de exclusiva responsabilidade de seus autores independentes.