Novo comandante do 11º BPM detalha ações que pretende adotar na corporação

Paulo Roberto das Neves Junior diz que pretende diminuir índices de violência nas cidades da área de cobertura do batalhão

Por Matheus Oliveira - 24 de Janeiro de 2019, 15:10
Novo comandante do 11º BPM detalha ações que pretende adotar na corporação Coronel Castelano passou o comando do 11º BPM para o tenente-coronel Paulo Roberto das Neves Junior | Foto: João Luccas Oliveira

O 11º Batalhão de Polícia Militar de Nova Friburgo trocou seu comando na última quarta-feira, dia 23 de janeiro. O tenente-coronel Paulo Roberto das Neves Junior substituiu Eduardo Vaz Castelano, que liderou a tropa entre 2017 e 2018 e foi remanejado para o norte do estado.

Paulo assume o batalhão com os índices de criminalidade em alta. Dados do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro apontam que as principais categorias de crime, nos municípios onde o 11º BPM atua (Nova Friburgo, Cantagalo, Duas Barras, Cordeiro, Macuco, Trajano, Madalena e Bom Jardim), aumentaram de 2017 para 2018.

Os indicadores estratégicos tiveram aumento significativo no período, como por exemplo, a letalidade violenta - somatório do número de vítimas de homicídios dolosos, lesões corporais seguida de morte, latrocínio e autos de resistência – que teve o registro de 24 casos em 2017 e 35 em 2018. Alta de 45,8% de um ano para outro. Já os roubos de rua - somatório de incidências de roubo a transeunte, roubo em coletivo e roubo de aparelho celular - 42 casos a mais entre as temporadas analisadas. Por outro lado, alguns indicadores também diminuíram, como os casos registrados de estupro e os de furto de aparelho celular.

Em entrevista concedida ao Portal Multiplix, o novo chefe do batalhão diz como pretende enfrentar a violência na cidade.

“A gente trabalha e precisa sempre estar motivando nossa equipe. Um exemplo é que nos batalhões que eu trabalhei quatro metas foram batidas. Eu sempre gosto de frisar isso e que não alcancei resultados sozinho. Eu trabalho com a tropa, e a tropa abraçando a causa, a gente consegue chegar lá. Sei que este é um batalhão com um histórico de bater metas e reduzir os índices de criminalidade, que são muito específicos.”, afirma.

“Tem algumas coisas que não estão nos índices que afetam a população. Por exemplo, furto. Não é uma coisa simples. Você trabalha para comprar um celular e vem um ‘vagabundo’ e furta teu celular. Não usou de violência, mas isso é inaceitável. Esses pequenos delitos não podem ser encarados como uma coisa comum. Temos que enfrentar esses problemas termos uma sociedade cada vez mais segura aqui.”, diz.

Paulo Roberto afirma ainda que pretende trabalhar em conjunto com a Polícia Civil, Ministério Público e outras autoridades para diminuir os índices de criminalidade na região.

“Quando comandei o 9º (batalhão), a gente tinha quase dez roubos de veículos por dia, conseguimos chegar a quatro. Tudo é possível, podemos diminuir os índices. E o foco é para que a criminalidade não venha do Rio de Janeiro para Nova Friburgo, não podemos deixar acontecer. Temos de combater o que já tem aqui e não permitir. Friburgo tem que ser uma área inóspita para quem vem de fora. Foi o que o coronel Castelano falou: todas as vezes que tentaram entrar na cidade o Batalhão deu conta.”, conclui.

O novo comandante da PM de Nova Friburgo terá de encarar a missão de reduzir os índices de violência na cidade O novo comandante da PM de Nova Friburgo terá de encarar a missão de reduzir os índices de violência na cidade | Foto: João Luccas Oliveira

Eduardo Castelano vai para o norte fluminense

Já o Coronel Eduardo Vaz Castelano avalia de maneira positiva sua passagem pela cidade. Ele será promovido para um cargo de coordenação de quatro batalhões: Campos, Macaé, Itaperuna e Pádua.

“Posso falar que vou sentir saudade desse povo, dessa terra e dos policiais do 11º BPM, local onde fiquei mais tempo. Resido em Nova Friburgo há 22 anos, troquei o Rio pelo município e não tenho mais vontade de sair daqui. Foi um batalhão onde comandei e chefiei todas as seções, passei por todas as funções. Fica esse sentimento de perda por sair daqui e uma experiência para seguir trilhando uma progressão na carreira e esta é uma ordem natural, pois somos promovidos e temos que passar para novos comandos e um patamar a mais”, diz.

O antigo comandante do 11º BPM, Eduardo Vaz Castelano será remanejado para o norte do estadoO antigo comandante do 11º BPM, Eduardo Vaz Castelano será remanejado para o norte do estado | Foto: João Luccas Oliveira