Manta

Por Rachel Rabello - 04 de Fevereiro de 2019, 09:56

A velha rendeira sentada no banco Me olha de baixo cerzindo seu pano. Seu olho de sábia nem gosta ou estranha: Somente observa quem para e quem anda.

Eu olho a velha com olho estrangeiro E sinto por ela um amor sem tamanho. Queria poder lhe ninar em meu peito E beijar do seu rosto os fundos arranhos.

O fio que ela alinhava nas mãos Se funde em meu corpo e em meu coração. Eu sou a costura do mar com a areia. Eu sou a sereia bordada na espuma.

Essa manta branca que nunca termina Sou eu, é minha vida, é doce ventura... E cada ponto que é dado nunca é desfeito, É só transformado, bordado, no peito.


O Portal Multiplix não endossa, aprova ou reprova as opiniões e posições expressadas nas colunas. Os textos publicados são de exclusiva responsabilidade de seus autores independentes.