Jhennifer Alves treina nos EUA e busca bons resultados nesta temporada

Atleta friburguense passou um mês treinando na universidade de Virginia Tech com objetivo de ter um bom desempenho no Pan e no Mundial

Por Matheus Oliveira
26/02/19 - 10:34
Jhennifer Alves treina nos EUA e busca bons resultados nesta temporada Jhennifer Alves passou um mês nos EUA com o objetivo de aprimorar suas técnicas na natação | Foto: Reprodução/Redes Sociais

Focada em sua evolução e com o objetivo de brilhar nas piscinas de todo o mundo, a nadadora friburguense Jhennifer Alves, 22 anos, ficou um mês nos Estados Unidos para participar de um período de treinamento na Universidade de Virginia Tech com o renomado treinador espanhol Sérgio López, que ajudou a revelar nomes como os americanos Ryan Murphy, Santo Condorelli e Joseph Schooling.

Na oportunidade, a atleta de Nova Friburgo viajou ao lado de seu companheiro de equipe do clube Pinheiros-SP, Felipe Lima, especialista no nado peito, assim como Jhennifer. O treinador Sérgio Lopez está em seu primeiro ano na Virginia Tech, depois de passar dois anos na Universidade de Auburn, onde comandava o também brasileiro Marcelo Chierighini. Durante seus treinamentos com o comandante espanhol, ela pode ficar lado a lado com a atleta egípcia Farida Osman, medalha de bronze nos 50m borboleta do Mundial de piscina longa (50m) de Budapeste, Hungria, em 2017. A atleta da cidade serrana comentou sobre a convivência com Sérgio López e Farida Osman.

“Eu queria treinar com o Sérgio porque ele é um especialista em nado peito, além do fato dele ter sido nadador. Eu queria, ainda, aprimorar minha técnica buscando as vagas do Pan e do Mundial, além de me aproximar do índice olímpico. A Farida é uma menina muito simpática e que passa boas energias durante o treino. Ter por perto pessoas que gostam de treinar forte e que nos incentivam é sempre bom.’, diz.

A jovem comentou sobre os motivos que a levaram a realizar o período de treinamentos em território estadunidense: “quis ir para os Estados Unidos para ver como os melhores do mundo treinam, pois, hoje, os americanos são a grande potência da natação mundial. Eu sempre tive essa curiosidade e nesse ano economizei dinheiro e decidi investir neste treinamento. Eu consegui absorver bastante coisa de lá e pude perceber que os treinos são bem diferentes, pois eles têm várias outras formas de pensar e trabalhar as atividades, visando fazer com que o atleta possa alcançar sua melhor performance. Mas tanto os treinos dos Estados Unidos quanto os do Brasil são intensos e fortes, direcionados para o objetivo do atleta.”, declara Jhennifer que já retornou ao Brasil e segue sua rotina de treinos no Pinheiros.

Durante seu período na Virginia Tech, a nadadora alcançou as seguintes marcas em piscina de 25 metros: 1m00s48 para os 100 metros peito e 27s30 para os 50 metros da modalidade.

Próximas competições

Neste ano, Jhennifer disputará o Troféu Maria Lenk, em março, na competição que servirá como seletiva tanto dos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, que acontecerão de 26 de julho a 11 de agosto, quanto do Mundial de piscina longa, que ocorrerá em Gwangju, na Coreia do Sul, entre 12 e 28 de julho.

“Minha ida aos Estados Unidos também foi baseada no fato de que eu queria começar esta temporada bem focada e alinhada com meu objetivo principal que é chegar aos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Para isso, quero chegar bem ao Maria Lenk, que é meu principal foco neste ano, pois é a seletiva que temos no mês que vem e que decidirá as vagas do Brasil nos Jogos Pan-Americanos e no Mundial deste ano. Meu planejamento é fazer a marca de 1min07 e bater meu próprio recorde sul-americano, nos 50m peito que é de 30s51.”, destaca.

Jhennifer cita suas principais rivais no nado peito e quais são seus principais objetivos deste ano:

“No Brasil, minha maior rival é a argentina Julian Sebastian, que compete com a gente aqui no Brasil há cinco anos. Em nível mundial, é difícil falar que tenho rivais a nível mundial, mas o objetivo é estar ali brigando com nomes como a americana Lilly King. O objetivo é conquistar a medalha no Pan, assim como eu consegui em 2015, mas, dessa vez, conseguir o pódio tanto no revezamento quanto nas provas individuais, e alcançar as finais no Mundial.”, afirma.

Por fim, ela comenta sobre o orgulho de representar Nova Friburgo em competições tão importantes.

“É sempre um prazer estar carregando o nome da nossa cidade em todas as competições. Faço isso com o maior orgulho, pois foi o local onde fui criada desde pequena, é minha cidade do coração e sempre que posso tento estar aí para visitar minha família e meus amigos.”, finaliza.