Já pensou em ser jovem aprendiz?

Na Região Serrana, empresas de Nova Friburgo e Teresópolis já empregam quase 500 jovens nessa modalidade

Por Sara Schuabb
20/03/19 - 09:58
Já pensou em ser jovem aprendiz? Programa Jovem Aprendiz facilita inserção do jovem no mercado de trabalho | Foto: Divulgação/Programa Jovem Aprendiz

Adolescentes e jovens estudantes entre 14 e 24 anos, que buscam oportunidade de inserção no mercado do trabalho, podem recorrer ao Programa do Governo Federal Jovem Aprendiz, criado a partir da Lei da Aprendizagem, de n° 10.097/2000, que determina que empresas consideradas de médio e grande porte desenvolvam programas voltados para capacitação profissional de jovens.

Por meio do Programa, os jovens têm a oportunidade de conseguir o primeiro emprego e de desenvolver competências para o mundo do trabalho. E as empresas participantes têm o papel de formar e orientar os aprendizes nas atividades práticas da ocupação para a qual ele foi contratado, que devem estar em consonância com o curso teórico aplicado pela instituição formadora parceira. O processo de aprendizagem na empresa deve ser acompanhado por um funcionário da área onde o jovem vai atuar.

Na Região Serrana, de acordo com o Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE, atualmente há 267 jovens aprendizes e 127 empresas vinculadas em Nova Friburgo; e em Teresópolis, 181 jovens e 50 estabelecimentos participantes.

Thiago Muniz, de 20 anos, conta que atua no setor Administrativo do Hospital Serrano desde 2017 por meio do contrato de aprendiz. “O processo seletivo foi um pouco tenso, afinal, estava cercado de pessoas importantes da empresa, inclusive diretores e os donos do hospital. Mas, desde que fui contratado, tudo tem sido muito bom. Aprendi muitas coisas da área de administração e gestão, bem como o funcionamento de todos os setores hospitalares, dos laboratórios aos leitos”, conta.

Quanto ao aprendizado em quase um ano e cinco meses de trabalho, Thiago destaca que a responsabilidade é algo que se adquire e cresce no primeiro emprego e, consequentemente, as pessoas acabam reconhecendo sua capacidade.

“Ter o primeiro emprego remunerado conquistado com seu próprio trabalho é uma oportunidade ímpar, fantástica. Dentro do programa discutimos assuntos importantes sobre atualidades e direitos trabalhistas, o mundo de gestão empresarial. É importante apresentar para o jovem essa perspectiva de aprender a trabalhar” enfatiza Thiago, cujo contrato acaba em abril, com chances de ser efetivado.

A empresa de tecnologia de Nova Friburgo, Gigalink, também atua no Programa Jovem Aprendiz Legal. Segundo Viviana Trancoso, do Departamento de Recursos Humanos, atualmente há quatro jovens aprendizes atuando nas áreas de atendimento ao cliente, cobrança e informática. “A experiência é positiva, pois a maioria dos jovens acaba sendo efetivada antes do contrato terminar”, diz.

Condições de trabalho

A jornada de trabalho do jovem aprendiz pode variar entre quatro e seis horas diárias, podendo chegar ao limite de 8 horas desde que tenha completado o ensino fundamental e se nelas forem computadas as horas destinadas à aprendizagem teórica. Os jovens são contratados por empresas como aprendizes de ofício previsto na Classificação Brasileira de Ocupações – CBO do Ministério do Trabalho e Emprego, ao mesmo tempo em que são matriculados em cursos de aprendizagem, em instituições qualificadoras reconhecidas como Sesi, Sesc, Senai, responsáveis pela certificação. O contrato pode durar entre 11 e 23 meses, com piso salarial de R$ 871,00.

CIEE

Com a intenção de selecionar e encontrar esses jovens e colocá-los em conexão com as empresas, o Centro de Integração Empresa-Escola – CIEE atua fazendo essa mediação com as empresas. Aos jovens aprendizes, o CIEE também oferece cursos sobre o mundo do trabalho; comunicação oral e escrita; leitura e compreensão de textos; Inclusão digital; raciocínio lógico-matemático, noções de interpretação e análise de dados estatísticos; noções de direitos trabalhistas e previdenciários e do Estatuto da Criança e do adolescente – ECA; Saúde e segurança do trabalho, direitos humanos, com enfoque no respeito à orientação sexual, raça, etnia, idade, credo religioso ou opinião política.

Quem quiser ser um jovem aprendiz legal, saiba mais detalhes no site do programa http://site.aprendizlegal.org.br/.