Friburguense no topo da natação sul-americana! Jhennifer Alves conquista três medalhas no Sul-Americano e quebra o recorde da competição

Em entrevista ao Portal Multiplix, ela ainda contou sobre a disputa do torneio continental e projetou os próximos passos da carreira

Por Matheus Oliveira
15/11/18 - 16:35
Friburguense no topo da natação sul-americana! Jhennifer Alves conquista três medalhas no Sul-Americano e quebra o recorde da competição A friburguense Jhennifer Alves vem quebrando recordes e se tornando um dos destaques internacionais dos 50m peito. | Foto: Divulgação/CBDA

Levando Nova Friburgo ao topo da natação sul-americana, a nadadora Jhennifer Alves, nascida na cidade da Região Serrana, segue brilhando nas piscinas do continente e do mundo. Na última semana, ela encerrou a disputa do Sul-Americano de Desportos Aquáticos, disputados no Centro Aquático de Trujillo, no Peru, com três medalhas: duas de ouro (50m peito e 4x100 medley) e um bronze (100m peito).

Especialista no nado peito, ela fez na prova de 100m, o tempo de 1min09s00. Já o ouro nos 50m peito, a sua principal prova, veio através da marca de 31s29, quebrando o recorde da competição continental.

“O recorde era de 2016 e foi muito legal ter batido. O recorde Sul-Americano também é meu e agora ter o recorde da competição é bacana. Foi uma prova difícil, com duas atletas da Argentina forçando até o fim, mas consegui sair com a medalha de ouro”, falou Jhennnifer.

O melhor tempo de Jhennifer nos 50m peito foi de 31s17, no Open, disputado em Palhoça, na temporada de 2015. Já sua melhor marca pessoal nos 100m peito é de 01m08s03, conquistada, no Troféu Maria Lenk, disputado no Rio, em 2016.

A atleta friburguense comentou que a base de classificação foi o Troféu Maria Lenk deste ano e que não fez uma grande preparação para o torneio, pois seu foco está na disputa do Open deste ano, que será disputado na sede do Grêmio Náutico União, em Porto Alegre-RS, entre 19 e 22 de dezembro.

“A competição foi seletiva para vários países, mas não para o Brasil. Desta forma, a competição se mostrou bem difícil, porque as meninas estavam preparadas, mas eu não fui tão preparada. Meu objetivo principal agora é o Open no final do ano, não foi na minha melhor forma performance, mas fiquei satisfeita com o resultado, além de ser uma experiência adquirida, o fato de competir em alto nível mesmo estando em ritmo de preparação para outro torneio. A gente veio se preparando de forma mais longa e junto com meu técnico nadar pesado e tentar tirar bons resultados mesmo assim”, revelou.

No Sul-Americano, o Brasil conquistou o título geral no masculino com 304 pontos, ficando à frente da segunda colocada, a Argentina que obteve 184 e da Colômbia, terceira colocado, com um total de 138 pontos. Já no feminino, a Seleção Brasileira, ficou na segunda posição, com 254 pontos, atrás da eterna rival Argentina, que venceu o título com 279 pontos, após 38 anos de jejum. O Peru fechou o pódio com 88 pontos. Na classificação geral, a Seleção Brasileira conquistou 558 pontos, contra 463 da Argentina e 208 da Colômbia.

Por fim, Jhennifer Alves ainda contou que pretende se preparar para chegar ao auge de sua forma em março do ano que vem , quando acontece a disputa do Maria Lenk, que será o torneio que servirá como seletiva tanto do Pan-Americano de Lima, no Peru, quanto a do Mundial de piscina longa, que acontecerá em Gwangju, na Coreia do Sul.

“Meus planos para a próxima temporada são a de estar na melhor forma possível no início do ano para ir bem na seletiva dessas duas competições. Espero conseguir os meus melhores tempos e me garantir nesses torneios, que são estágios antes de chegar nas Olimpíadas de Tóquio, em 2020”, revelou. O Mundial da Coreia do Sul será seletiva dos revezamentos para os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Temporada

Além disso, a nadadora já havia faturado neste ano o título da 12ª edição do Aberto da França, competição de destaque no cenário mundial que conta com alguns dos maiores nomes da natação internacional. Nos 100m, a jovem conquistou a prata com a marca de um minuto, oito segundos e 88 centésimos, sendo superada apenas pela japonesa Reona Aoki, que fez o tempo de um minuto, seis segundos e 61 centésimos. Vale lembrar que a prova dos 50m peito não está incluída no programa dos Jogos Olímpicos