Conheça a atleta friburguense de crossfit que se tornou a 12ª mulher mais bem condicionada do Brasil

Destaque na modalidade, Flávia Adame, de 22 anos, foi descoberta no rugby e hoje também é a mulher mais forte de Nova Friburgo

Por Matheus Oliveira
20/12/18 - 16:06
Conheça a atleta friburguense de crossfit que se tornou a 12ª mulher mais bem condicionada do Brasil Flávia Adame se tornou referência estadual no crossfit e possui diversas premiações na modalidade | Foto: Reprodução/Redes Sociais

Nova Friburgo é um celeiro em revelar talentos para o esporte nacional, principalmente no futebol e nas artes marciais. Mas será que os friburguenses sabem que o município conta com uma atleta que foi considerada a 12ª mulher mais bem condicionada do Brasil e, hoje, é a mais forte da cidade? Esta é a história da atleta de crossfit, Flávia Adame, 22 anos, estudante de educação física e proprietária de academia.

Flávia revela que pratica esportes desde os 10 anos e conheceu o rugby cinco anos depois, através de uma escolinha do ex-jogador do Friburgo Rugby, Juca Santo, que atuou no esporte por dez anos. Na época, com 15 anos, a jovem já chamava atenção pelo porte físico avantajado em relação às outras meninas.

O antigo presidente da equipe de rugby revela que foi montado um time feminino da modalidade, mas que a ideia não foi adiante, abrindo espaço para o crossfit na vida de Flávia.

“Através de um parceiro que é o Thiago Figueira, que foi o primeiro atleta do estado em crossfit e trabalhava com treinamento de atletas, consegui levar o time para treinar a modalidade. Assim, a Flávia passou a treinar e a se encantar pelo crossfit”, destacou Juca.

A partir dos treinos de crossfit, Thiago descobriu a aptidão da atleta friburguense para a categoria e a incentivou a fazer educação física. Com a aproximação, eles começaram a namorar e estão juntos até hoje. A jovem revela que acabou ficando na modalidade por ser muita competitiva, participando de torneios desde 2015.

“Escolhi para melhorar meu desempenho e acabei me apaixonando pelos desafios existentes nela, o que me deixa diariamente mais motivada e em busca de autossuperação. Eu amo competição”, declarou Flávia.

“O esporte te traz muita disciplina e ele ajuda principalmente na sua autoestima e autoconfiança, proporcionando também um grande bem-estar para realizar qualquer tarefa do seu dia a dia”, disse.

Entre suas principais conquistas, existe o fato dela ter sido a primeira mulher da Região Serrana a se classificar para o torneio TCB (principal campeonato de condicionamento físico do País), em 2017, e em 2018 se tornou a 12ª mulher mais bem condicionada do Brasil no TCB. Ela também foi considerada a mulher mais forte de Nova Friburgo este ano, levantando 106kg de arremesso e 75kg de arranco na Copa Friburguense de LPO. Flávia também foi vice-campeã do campeonato carioca da modalidade.

Flávia Adame foi considera a mulher mais forte de Nova FriburgoFlávia Adame foi considera a mulher mais forte de Nova Friburgo | Foto: Reprodução/Redes Sociais

A atleta classifica como importante o fato de o crossfit passar a ganhar espaço na mídia e ser visto como gerador de saúde e qualidade de vida.

“Avalio de forma positiva como em qualquer outra atividade que promova o resgate da saúde e de uma melhora na qualidade de vida. Para mim a melhor atividade física para cada um é a que a pessoa gosta e que se sinta bem”, afirmou.

Flávia diz que não tem nenhuma ajuda de custo e os gastos com as competições acabam sendo muito altos, o que às vezes inviabiliza a presença dela em alguns eventos. Ainda assim, a atleta diz ter orgulho de levar o nome de Nova Friburgo para todo o país, já que a maioria dos atletas das competições que participa é de São Paulo.

Para 2019, Fávia já tem diversos planos, com prioridade para o TCB.

“Já comecei esse ano me dedicando 100% ao TCB de 2019 e minha meta para o próximo ano e ir em busca de pódio. Estarei me dedicando só a ele no próximo ano para não perder o foco e trazer melhores resultados, que me ajudarão muito como futura professora de educação física, podendo contribuir para minha academia, ajudando a orientar e instruir da melhor maneira os meus alunos. A teoria e a prática andam sempre juntas”, contou.