Uerj de Teresópolis perde curso de graduação em turismo

Unidade só não fechará porque pós-graduação oferecida no campus será mantida

Por Luisa Machado
17/07/19 - 12:23
Uerj de Teresópolis perde curso de graduação em turismo Mudança do curso será realizada de forma gradual a partir do segundo semestre | Foto: Reprodução/Portal Multiplix

A Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) confirmou, na última semana, a transferência do curso de graduação em turismo oferecido atualmente no campus de Teresópolis, na Região Serrana do Rio, para o do Maracanã, no Rio de Janeiro. A mudança vai ocorrer de forma gradual a partir do segundo semestre deste ano.

A unidade de Teresópolis só não fechará as portas porque o curso de pós-graduação em desenvolvimento territorial será mantido, de acordo com o informe da faculdade.

A saída do curso do município ocorre após solicitação feita por parte dos professores à reitoria da universidade, em janeiro de 2019. Em carta, os docentes justificaram o pedido argumentando que a transferência traria economia à Uerj em meio à crise enfrentada pelo estado do Rio, já que, segundo os professores, o curso tinha baixa procura e a cidade de Teresópolis oferecia poucas oportunidades de estágios na área.

Em entrevista ao Portal Multiplix, um dos professores do curso, Rafael Fortunato, diz que a transferência do campus foi posta em discussão nos conselhos departamentais de turismo e do Instituto de Geografia, faltando apenas a discussão no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, que acontecerá em breve.

“As decisões são tomadas via votação em todas as instâncias. Provavelmente esse conselho vai aprovar o deslocamento do campus porque ele respeita muito as decisões do instituto. Dos professores, foram sete votos a favor e apenas quatro contra a troca de municípios”, afirma.

A mudança não agradou a muitos estudantes, que terão que ir até a capital se quiserem concluir o curso. Esse é o caso de Hugo Ghisoni, aluno há mais de três anos do campus de Teresópolis, que terá que adaptar toda a sua vida.

Hoje chego em 20 minutos na faculdade. Lá (no Rio), terei que me mudar para perto da Uerj Maracanã ou para Itaipu, que fica a umas duas horas da faculdade, caso queira completar o curso. E mesmo assim ainda farei aulas em Teresópolis, já que a ideia inicial é descer duas disciplinas do curso de cada vez.

Para Rodrigo Braz, aluno do sétimo período do curso de turismo, segundo tabela de transferência, a mudança não terá impacto direto. Dessa forma, conseguirá concluir a graduação em Teresópolis. Apesar disso, para Rodrigo, “preocupa a coletividade do curso de turismo, que envolve diversas pessoas diretamente entre professores, técnicos administrativos e funcionários terceirizados que terão suas vidas afetadas”.

Caroline, também do sétimo período, vive situação semelhante à de Rodrigo. Ela afirma que a saída da graduação da cidade é uma perda tanto para o município quanto para a universidade.

“Desde que o curso se instalou na cidade muitas mudanças positivas ocorreram, como o desenvolvimento do turismo rural, fortalecimento do ecoturismo e o turismo receptivo que antes não era trabalhado. E ainda tem muito a ser desenvolvido, como o turismo gastronômico, turismo de aventura, turismo cervejeiro”, diz.

Manifestações a favor da permanência do curso

Em junho de 2019, percebendo que a possibilidade da saída do curso do município se concretizava, alunos fizeram um abaixo-assinado expressando preocupação com o futuro do campus. Os estudantes conseguiram mais de quatro mil assinaturas na internet, fora as colhidas na rua, em papel. Além disso, dois atos públicos aconteceram no campus, no dia 27 de junho e no dia 4 de julho.

Em carta aberta, os alunos afirmavam que ao deixar a cidade, a Uerj falhava no projeto de interiorização e de ser cada vez mais, de fato, estadual.

Instituições como o Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Parnaso) e a Câmara de Vereadores de Teresópolis também publicaram cartas abertas, solicitando a continuidade do curso no município.

A Prefeitura de Teresópolis emitiu nota em que afirma que, após a decisão da Uerj, o prefeito Vinicius Claussen cobrou da universidade um plano de reestruturação para a instalação de novos cursos de graduação e de especialização no município.