Circuito Terê-Fri deve passar por revitalização e mudar de nome

Objetivo é fortalecer o caminho como rota turística da Região Serrana. Recuperação da estrada que liga as duas cidades deve ser prioridade

Por Sara Schuabb
12/02/19 - 10:18
Circuito Terê-Fri deve passar por revitalização e mudar de nome Queijaria Suíça, no km 18 da RJ-130 é um dos atrativos do Circuito Terê-Fri | Foto: Amanda Tinoco/Arquivo

O Circuito Terê-Fri, criado há cerca de 20 anos, compreende cerca de 68 km da RJ-130, dentro da Mata Atlântica, que ligam os municípios serranos de Nova Friburgo e Teresópolis, com cenários para aventuras, passeios, gastronomia e outros atrativos turísticos das duas cidades.

No dia 30 de janeiro deste ano, os prefeitos Vinicius Claussen, de Teresópolis, e Renato Bravo, de Nova Friburgo, reuniram-se no Hotel Le Canton, em Teresópolis, para tratar da criação de identidade do roteiro e a adoção do nome Rota Turística Tere-Fri; a recuperação da Estrada RJ–130; a modernização da sinalização turística e o levantamento de todos os atrativos ao longo da rodovia e o estabelecimento de parcerias público e privadas.

A partir desse encontro, deve ser criado um plano pelas duas prefeituras para que todas essas melhorias sejam feitas. O documento deve ser apresentado aos empresários da região, mas ainda sem previsão.

O presidente do circuito e proprietário do apiário Amigos da Terra e do Museu do Mel, Luis Moraes, diz que o mais importante neste momento é melhorar a estrada.

“Não há como desenvolver um destino turístico com dificuldade de acesso. E a estrada está realmente bastante precária. É fundamental que seja repavimentada. Há um projeto no DER de transformá-la em uma estrada parque. Seria interessante se os prefeitos pudessem encampar essa obra.”, diz.

Segundo Luiz Moraes, outro projeto que poderia ser retomado seria o “Florindo Terê-Fri”, no qual foram plantadas mais de cinco mil mudas de plantas ornamentais na beira da estrada, deixando-a mais floridas, mas que, por falta de manutenção, muitas morreram.

“Outra proposta a ser encampada é a construção de um pórtico na entrada de cada cidade que indicasse para as pessoas que estão entrando no circuito uma sinalização turística padronizada, indicando os estabelecimentos que fazem parte do circuito, bem como os atrativos naturais.”, finaliza.

Segundo o presidente da Convention & Visitors Bureau de Teresópolis, Pedro Alves , a recuperação da Estrada Terê-Fri também é de suma importância para o turismo e integração das duas cidades.

“O circuito possui diversos atrativos naturais, como o Parque Estadual dos Três Picos, a vista da Mulher de Pedra e a Cachoeira dos Frades. E, também, produtos turísticos como o Jardim do Nêgo, o Apiário Amigos da Terra e a Queijaria Suíça. Com bons restaurantes e o verde composto pelas plantações, o circuito Terê-Fri representa um importante símbolo da região.”

Quanto aos desafios, Pedro Alves apontou a necessidade do visitante se tornar um turista da região, e não apenas um visitante “bate e volta”.

“Outro desafio que ainda requer bastante atenção é a maior integração com o campo, realizando a inclusão de famílias de agricultura familiar com o turista/visitante, desta forma enaltecendo a importância desse trabalhador rural e proporcionando ao visitante momentos que a cidade grande não oferece.”, finaliza.